Breaking News

Fotos inéditas de candomblé no Arquivo Franciscano

Eduarda Uzêda |  Seg, 02/03/2015 às 11:39

 

Thomás Kockmeyer | Divulgação Cerca de 200 fotografias feitas por frei alemão na Bahia foram descobertas em Recife
Thomás Kockmeyer | Divulgação
Cerca de 200 fotografias feitas por frei alemão na Bahia foram descobertas em Recife

Cerca de 200 fotografias inéditas do candomblé baiano, com  habitantes de comunidades negras, além de imagens de alimentos e indumentárias  do culto afro integram o acervo do  projeto Resgate Documental da Província Franciscana de Santo Antônio do Nordeste do Brasil, realizado pelo  Arquivo Provincial Franciscano, em Recife, Pernambuco.

O curioso é que as fotos  foram feitas pelo frei  alemão Thomás Kockmeyer, entre os anos de 1930 e 1940, o  que demonstra,  em época de  tanta intolerância religiosa, que sempre há espaço para respeito às diferenças. O projeto, de fôlego, pretende  recuperar  parte importante da história da ordem franciscana da Igreja Católica do Brasil.

“Ao todo, estão sendo recuperados documentos de 42 localidades diferentes, entre igrejas, conventos e casas franciscanas de  sete estados da região Nordeste, mais o Pará”, informa a a coordenadora do projeto Resgate Documental da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil, a restauradora Débora Mendes.

Tesouro

“Estas fotos têm grande importância histórica, cultural e antropológica  não só para a Bahia, mas para o país . É um verdadeiro  tesouro .  Cada foto é um texto, que instiga uma investigação”, complementa o  antropólogo Raul Lody, curador da Fundação Pierre Verger,  na Bahia, que foi convidado  também para integrar o projeto.

As fotos, que  foram encontradas no Arquivo,  em uma pequena caixa com os dizeres Candomblé – Fotografias de Frei Thomás Kockmeyer  em sua tampa, medem  5×7 cm. Elas registram atos do cotidiano de um candomblé, com  manifestações religiosas típicas de matriz africana.

Lody afirma que tem convicção que as fotos foram  feitas em locais do Recôncavo Baiano. O estudioso, responsável por vários estudos na área das religiões afro-brasileiras, sobretudo na Bahia,  chama a atenção pelas fotografias não se prenderem  ao exótico, ao caráter sensacionalista.

“São fotos que surpreendem  pela qualidade, diversidade do olhar e importância documental”, frisa o antropólogo, autor de vários livros.

Patrocínio

“Neste momento, nossa equipe técnica está trabalhando na identificação (com relação à origem, língua em que foi escrito e assunto), higienização e catalogação de todo este material. Desta forma, os documentos estarão disponíveis a estudiosos que poderão realizar pesquisas mais aprofundadas sobre estes arquivos”, salienta Débora Mendes.

Ela informa que  o projeto Resgate Documental da Província Franciscana de Santo Antônio do Nordeste do Brasil tem patrocíno da Petrobras  (edital Cultural, de 2012) no valor de R$ 640 mil.

O coordenador de Patrimônio da Província Franciscana, frei Roberto Soares, motivado pelas viagens a vários conventos e em contato com  raridades históricas –  manuscritos impressos e iconográficos cartas papais, documentos avulsos, livros, etc – teve a ideia de reuni-las em um só local.

 

 

Extraído do site do Jornal A Tarde / Salvador-BA
http://atarde.uol.com.br/cultura/noticias/1663788-fotos-ineditas-de-candomble-no-arquivo-franciscano

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *