Breaking News

Espetáculo faz homenagem à cantora mineira Clara Nunes

Eduarda Uzêda | Sex, 15/05/2015 às 08:44

 

Claudia Ribeiro | Divulgação A atriz Clara Santhana no espetáculo Deixa Clarear - Musical sobre Clara Nunes
Claudia Ribeiro | Divulgação
A atriz Clara Santhana no espetáculo Deixa Clarear – Musical sobre Clara Nunes

Considerada uma das maiores intérpretes do país, a cantora Clara Nunes (1942-1983),  que  ganhou destaque cantando samba, era  também uma pesquisadora e admiradora das músicas  afro-brasileiras.Os que conheceram o talento da cantora e a nova geração têm, agora, mais  oportunidade de rever um pouco de sua trajetória, repertório musical e seus questionamentos, através do espetáculo Deixa Clarear – Musical sobre Clara Nunes.

A montagem, protagonizada pela atriz Clara Santhana,  pela primeira vez será apresentada em Salvador. Será no Teatro Jorge Amado, sexta-feira, 15, e sábado, 16, às 20 horas, e domingo, 17, às 19 horas. “Este é um projeto idealizado por mim para homenagear  Clara Nunes, uma artista que aprendi a admirar na adolescência”, afirma Clara   Santhana,  que tem apenas 27 anos.

Expectativa

“Minha expectativa de apresentar este espetáculo  para Salvador é muito grande, pois  Clara Nunes  tinha ligação  forte com a  Bahia e com a cultura afro-brasileira”, afirma a atriz.
Ela conta que o espetáculo estreou em  2013 no Rio de Janeiro como uma homenagem aos 30 anos de morte da cantora. Se viva fosse, Clara Nunes faria em agosto 73 anos de idade.

Com direção de Isaac Bernat, texto de Márcia Zanelatto e direção musical à cargo de Alfredo Del Penho, a montagem, que tem 75 minutos de duração, de acordo com Clara Santhana,  apresenta um pouco da infância de Clara Nunes.

Não ficam de fora no espetáculo a relação com Chacrinha e questionamentos da cantora mineira em relação à religiosidade afro-brasileira (a intérprete, que era católica e chegou a flertar com o espiritismo, depois foi iniciada na umbanda).

Repertório

O espetáculo apresenta 20 canções que foram interpretadas por Clara Nunes. Entre elas,   O Canto das Três Raças (Paulo César Pinheiro/ Mauro Duarte), Morena de Angola (Chico Buarque), O Mar Serenou (Candeia) e Ê Baiana (Fabrício da Silva/Baianinho/Ênio Santos/ Miguel)

Clara Santhana diz que  este é seu primeiro solo e  que o  maior desafio “foi o de cantar  músicas que têm melodias complexas”. A cenografia de  Doris Rollemberg leva ao palco  uma cortina de miçangas e contas conhecidas como Lágrimas de Nossa Senhora. O figurino de Desirée Bastos traz indumentárias  características da cantora mineira, a exemplo das roupas brancas que remetem aos trajes das baianas.

Músicos  tocam ao vivo: Michel Nascimento (percussão), Bidu Campeche (cavaquinho e percussão) e João Bittencourt (violão).

 

Extraído do site do Jornal A Tarde / Salvador – BA
http://atarde.uol.com.br/cultura/teatro/noticias/1681115-espetaculo-faz-homenagem-a-cantora-mineira-clara-nunes-premium

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *