Alvorada dos Ojás pede o fim da violência contra jovens

Divulgação | Fafá M. Araújo Árvores são amarradas com tecido branco pelo fim da violência contra negros e intolerância religiosa

Da redação | Seg, 17/11/2014 às 19:17 | Atualizado em: 17/11/2014 às 19:45

 

Divulgação | Fafá M. Araújo Árvores são amarradas com tecido branco pelo fim da violência contra negros e intolerância religiosa
Divulgação | Fafá M. Araújo
Árvores são amarradas com tecido branco pelo fim da violência contra negros e intolerância religiosa

Em comemoração ao Dia da Consciência Negra, os adeptos dos cultos de matrizes africanas vão promover, nesta quinta-feira, 20, a Alvorada dos Ojás pelo sétimo ano consecutivo em Salvador e Lauro de Freitas. A atividade, na qual as árvores da cidade são amarradas com tecidos brancos utilizados durante as obrigações do candomblé (os ojás), é promovida pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN), entidade nacional do Movimento Negro. O principal objetivo é combater o extermínio da juventude negra das periferias e a intolerância religiosa.

Além de exigir respeito e combater a intolerância religiosa, a atividade puxará, em 2014, uma campanha a favor do Projeto de Lei 4471/12, que, se aprovado, extinguirá os autos de resistência. Prestes a ser votada no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, a proposta é de autoria do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) e prevê a investigação das mortes e lesões corporais cometidas por policiais durante o trabalho. Atualmente, os casos são registrados como autos de resistência (ou resistência seguida de morte) e não são investigados.

Manifesto

Para dar início à alvorada, um ato político será realizado em Lauro de Freitas às 8h desta quinta-feira, 20. Na ocasião, militantes do Movimento Negro vão caminhar do Terreiro São Jorge da Goméia, no bairro de Portão, até o Centro de Referência Mãe Mirinha, onde uma árvore será amarrada com o ojá, dando início oficialmente à sétima edição da alvorada.

Segundo o ativista negro Ricardo Andrade, a escolha de Lauro de Freitas para receber a atividade deu-se por causa dos cotidianos assassinatos de jovens negros por policiais militares no município – muitos forjados para parecerem auto de resistência. “Essa foi a forma que encontramos para pedir paz e exigir que o extermínio da nossa juventude tenha fim e seja investigado”, explica o militante.

Por causa da importância do Dia da Consciência Negra, feriado municipal em Lauro de Freitas, o prefeito Márcio Paiva (PP) convocou o funcionalismo público a participar da atividade no dia 20. “A conclamação visa também o combate ao racismo institucional do Estado”, destaca Andrade.

Amarração

Em Salvador, a Alvorada dos Ojás acontece na madrugada de quinta, 20, para sexta, 21, entre 21h e 5h, com a amarração dos tecidos em árvores no Dique do Tororó, Corredor da Vitória, Itapuã (até a Lagoa do Abaeté), Avenida Paralela (em frente ao Centro Administrativo da Bahia – CAB) e no bambuzal do Aeroporto Internacional Dois de Julho.

O encerramento das atividades deste ano será no domingo, 23, das 10h às 14h, quando o palco flutuante do Dique receberá diversas atrações culturais, como o bloco Cortejo Afro (com convidados) e as bandas Bicho da Cana, Banjolada, Toti Gira e Opanijé.

 

 

Extraído do site do Jornal A Tarde / Salvador-BA
http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1639954-alvorada-dos-ojas-pede-o-fim-da-violencia-contra-jovens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *