Breaking News

Analfabetismo da alma

O preconceito contra religiões de matriz africana é mergulho no desconhecimento sobre a História, a cultura e a fé do povo brasileiro

flavia oliveiraFlavia Oliveira | FLO@OGLOBO.COM.BR | 10/08/2014 6:00

 

 

Enquanto ergue o muro da intolerância religiosa, o indivíduo afunda no obscurantismo. O preconceito é o analfabetismo da alma. É cegueira voluntária, expressa no desprezo pelo respeito ao outro. Cada ofensa dirigida, cada pedra arremessada, cada incêndio provocado ampliam o desconhecimento sobre a História, a cultura, a tradição e a fé que moldaram boa parte do povo brasileiro e estão no DNA do “país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza”, como cantou Jorge Ben Jor. O intolerante abre mão de uma fieira de conhecimento do tamanho da capacidade humana de reter informações. É, portanto, ignorância ao infinito.

O intolerante deixa de saber que as religiões de matriz africana são matéria-prima da identidade nacional. O candomblé guarda os hábitos e a espiritualidade da gente que cruzou à força o Oceano Atlântico e ainda “produziu milagres de fé no extremo Ocidente”, ensinou Caetano Veloso. Ancorada no sincretismo, a umbanda é, por si só, exemplo de integração. O catolicismo imposto pelo colonizador português se moldou aos rituais de África e às crenças dos nativos do Novo Mundo, recém-descoberto. Um é tradição; outra, comunhão…..

 
Leia a íntegra dessa matéria no link abaixo:

http://oglobo.globo.com/sociedade/analfabetismo-da-alma-13550953#ixzz3AEzVcRf4
© 1996 – 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *