Breaking News

Animação conta a história da criação do universo pela voz de orixás

Premiada obra baiana busca combater estereótipos e preconceito em torno das religiões de matriz africana

Redação

Brasil de Fato | São Paulo (SP), 05 de Janeiro de 2017 às 15:38

Obra levou troféu de melhor filme no Festival de Cinema Baiano / Divulgação
Obra levou troféu de melhor filme no Festival de Cinema Baiano / Divulgação

Buscando uma nova forma de militância para o combate aos estereótipos em relação às religiões de matriz africana, nasceu a animação Orun Aiyê: a criação do mundo. Durante os 12 minutos de duração, o filme das diretoras Jamile Coelho e Cintia Maria, conta de forma didática como os orixás do candomblé interagiram para criar a Terra. Em iorubá, idioma de uma das etnias do continente africano, Órum significa o mundo espiritual e Aiyê, o mundo físico.

As diretoras utilizaram a técnica de stop motion na produção das imagens – quando a animação é gerada através de fotos. O curta, inclusive, já foi premiado na categoria Novos Talentos do Festival Brasil Stop Motion, maior encontro do gênero na América Latina, que recebeu centenas de produções de mais de 40 países.

O filme conta com a narração de Bira, um griot — considerado porta-voz de muitas comunidades em diferentes regiões da África — para enredar a história. Os orixás representados são Olodumaré (ser supremo que estabeleceu a existência do universo), Orunmilá (que representa o conhecimento e sabedoria), Oxalá (orixá masculino associado à criação dos homens), Oduduwa (na animação, ele é irmão de Oxalá), Nanã (orixá que rege a justiça) e Exú (orixá que representa a comunicação e as ambiguidades presentes em todo homem).

Lançada em janeiro do ano passado e com roteiro de Thyago Bezzera, a obra levou 455 dias para ser finalizada e também levou o troféu de melhor filme no último Festival de Cinema Baiano. O compromisso com a acessibilidade também não foi deixado de lado. A animação está disponível em 5 idiomas diferentes, em libra e língua de sinais.

31746768030_391021d4c5_b

As diretoras, Jamile e Cintia, ampliaram o projeto para além da animação. Para incentivar o protagonismo de novos cineastas afro-brasileiros na produção audiovisual baiana, elas criaram o Núcleo Baiano de Animação em Stop Motion, que ajuda a promover o empoderamento social, geração de renda e fortalecimento identitário de jovens negros e negras na capital baiana.

Agora, o desejo das diretoras é fazer com que o filme chegue às escolas. A Lei 10.639, prestes a completar 14 anos de existência, pode ser um caminho para isso. Ela determina o ensino da história afro-brasileira nas escolas, e práticas como a exibição desta animação são ferramentas para promover o combate ao racismo e à intolerância religiosa.

Edição: José Eduardo Bernardes

 

 

Extraído do portal Brasil de Fato
https://www.brasildefato.com.br/2017/01/05/animacao-conta-a-historia-da-criacao-do-universo-pela-voz-de-orixas/

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *