Breaking News

Ato no Rio pede fim da intolerância religiosa e defende liberdade de expressão

21/01/2015 23h07

Rio de Janeiro

Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil Edição: Fábio Massalli

 

No encontro, os participantes destacaram em uma carta que  “a liberdade religiosa é um patrimônio social que precisa ser devidamente resguardado para que extremistas não cometam crimes em nome de Deus”Fernando Frazão/Agência Brasil
No encontro, os participantes destacaram em uma carta que “a liberdade religiosa é um patrimônio social que precisa ser devidamente resguardado para que extremistas não cometam crimes em nome de Deus”Fernando Frazão/Agência Brasil

O fim da intolerância religiosa e a defesa da liberdade de expressão marcaram os debates do encontro de líderes religiosos hoje (21) na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro do Rio de Janeiro, em uma parceria da entidade com a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (Ccir) e o Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (Ceap).

No encontro, os líderes religiosos destacaram em uma carta que “a liberdade religiosa é um patrimônio social que precisa ser devidamente resguardado para que extremistas não cometam crimes em nome de Deus”. No documento, eles pedem a criação de um Plano Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. O babalaô Ivanir dos Santos, integrante do Ceap, disse que este é o momento de promover a ética e a discussão responsável do tema pela sociedade.

“Falam das responsabilidades dos dois segmentos que neste momento estão em evidência, que são os religiosos e a imprensa, das nossas responsabilidades de um espaço e diálogo comum para construir um Plano Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, com intelectuais e todo mundo que queira participar, inclusive aqueles que não concordam com a gente, porque têm direito de falar, mas em um foro apropriado. Não podemos ter medo do debate”, destacou o babalaô.

A pastora luterana Lusmarina Campos Garcia, do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Rio de Janeiro, destacou que não se pode aceitar também atos de discriminação contra muçulmanos, como ocorre em várias partes do mundo, por estabeleceram ligação entre eles e os atos violentos praticados por extremistas islâmicos na sede do jornal Charlie Hebdo, em Paris.

“Nem a liberdade religiosa nem a liberdade de expressão podem ser instrumentalizadas para construções falsas. É preciso ter cautela neste momento. Nós precisamos tomar muito cuidado para não reforçar a construção que associa terrorismo ao Islã; construção essa que tem caráter político e interesse econômico. Muçulmano e terrorista não são duas palavras correspondentes”, disse sob aplausos.

 

Líderes de diversas religiões que participaram do ato pedem a criação de um Plano Nacional de Combate à Intolerância ReligiosaFernando Frazão/Agência Brasil
Líderes de diversas religiões que participaram do ato pedem a criação de um Plano Nacional de Combate à Intolerância ReligiosaFernando Frazão/Agência Brasil

Para o diácono do Clero da Arquidiocese do Rio de Janeiro Nelson Augusto Águia, que representou o arcebispo dom Orani Tempesta na reunião, neste momento os religiosos devem ter um testemunho de harmonia, de paz e de misericórdia. “A gente tem que parar para pensar em como podemos dar este testemunho. A paz não vem pela polícia nem pela política, [mas pelo] respeito, diálogo e compreensão. Tudo isso devemos praticar e ressaltar para que não fiquem na masmorra. O papa Francisco tem pedido muito respeito com todos os credos.”

O diretor cultural da ABI, Jesus Chediak, também defendeu a liberdade de expressão, mas ponderou que há critérios que devem ser observados. “Nada justifica metralhar pessoas. Isso é uma barbárie, mas, por outro lado, não se pode ridicularizar. Não vou bater palma para quem fazia isso. Na medida em que estou falando mal de um orixá, por exemplo, estou atingindo aquele grupo humano que acredita naquilo. Isso não é liberdade. É perder o limite.”

Na avaliação da pioneira do movimento Hare Krishna no Brasil e integrante da Ccir, Raga Bhumi Devi Dasi, a diversidade de religiões que existe no país precisa ser mais divulgada para ser mais entendida pela sociedade. “Para que a população comece a compreender que existe uma diversidade religiosa e que cada um tem a sua religião, assim como existem diferentes classes, raças, culturas, falamos línguas diferentes também. Cada religião deve ser respeitada em suas tradições e seus valores. Isso não invalida que a gente evolua mais.”

O ato lembrou também que hoje é comemorado o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, instituído por causa da morte da fundadora do terreiro de Candomblé Ilê Axé Abassá de Ogum, Gildásia dos Santos e Santos, em Salvador. A mãe de santo teve um infarto, em 21 de janeiro de 2000, depois de ver o rosto estampado na capa da Folha Universal com a manchete “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”.

 

Extraído do site do Grupo EBC/Agência Brasil
http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-01/ato-no-rio-pede-fim-da-intolerancia-religiosa-e-defende-liberdade-de-expressao

 

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *