Breaking News

BA: Livro homenageia a vida de Ebomi Cidália

14 DE ABRIL DE 2014 – 15H44 


Foto: Rejane Carneiro/Ag.A TARDE/
Foto: Rejane Carneiro/Ag.A TARDE/

Uma homenagem à Ebomi Cidália, sacerdotisa do Ilê Iyá Omi Axé Iyamassê, o Terreiro do Gantois, foi realizada na última sexta-feira (11/04), em Salvador, com o lançamento do livro “Ebomi Cidália: a enciclopédia do candomblé – 80 anos”. A obra é assinada pela jornalista Cleidiana Ramos, em parceria com o historiador e religioso do candomblé, Jaime Sodré. O evento aconteceu no Ilê Axé Iyá Nassô Oká, Terreiro Casa Branca.


Com apoio da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), a publicação conta a vida da sacerdotisa e fala da tradição dos ensinamentos através da oralidade. O livro é, ainda, uma importante ação de visibilidade para as mulheres negras e das religiões de matriz africana, representadas na figura da homenageada.

Durante a abertura da cerimônia, Ebomi Nice enfatizou que “muitos pregam a paz, mas só iremos atingi-la quando as religiões viverem em paz. Todas as religiões têm a mesma essência é um só caminho, precisamos conhecer as semelhanças e saber conviver e respeitar as diferenças. Ebomi Cidália foi uma mulher sensacional que dizia sempre o que pensava sem se esquecer de respeitar o outro independente de seu culto ou forma de pensar”, disse a religiosa.

O livro foi baseado em uma transcrição do evento comemorativo de 80 anos de Ebomi Cidália, gravado no Terreiro de Oxumarê. Levando em consideração a tradição da oralidade, poucas intervenções textuais foram realizadas, sem alterar a dinâmica dos pronunciamentos e ideias dos participantes, traduzindo o clima do evento e seus detalhes significativos. Além dos organizadores, o livro possui textos de Marlon Marcos, Meire Oliveira e Juliana Dias.

De acordo com o professor Jaime Sodré “Ebomi Cidália tinha uma oratória fantástica, que envolvia a todos com diversos recursos, por isso buscamos manter uma transcrição da forma mais próxima possível de como era conversar com ela, para quem não teve a oportunidade de conhecê-la, o livro é uma oportunidade de compreender melhor a sua personalidade”.

História

Ebomi Cidália foi consagrada ao orixá Iroko, logo aos 7 anos de idade por Mãe Menininha. Faleceu em março de 2012, após uma longa trajetória dedicada à manutenção e divulgação das tradições culturais e religiosas da religião, tendo atuado em diversos espaços como Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra (CDCN) e em palestras, seminários e ambientes acadêmicos.

De Salvador,
Ana Emília Ribeiro
Com agências

Extraído do Portal Vermelho.org.br

http://www.vermelho.org.br/ba/noticia/240150-58

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *