Breaking News

Babalorixá Jorge de Ogunjá é condecorado com Comenda em Nilópolis

O Babalorixá Jorge D’Ogunjá, sacerdote do Ilê Axé D’Ogunjá e presidente do CIAFRO, entidade do movimento de cultura afro-brasileira foi condecorado durante a Posse do Conselho de Cultura do município de Nilópolis, recebendo das mãos do prefeito Alessandro Calazans a “Comenda Nilo Peçanha” por serviços prestados em prol da cultura afro-brasileira e dos povos e comunidades de matriz africana através dos projetos do CIAFRO na região.

O que é uma comenda? é uma condecoração dada por uma autoridade de alto escalão a uma personalidade que tenha contribuído em algum setor da sociedade civil, trata-se então de um reconhecimento pelo seu trabalho e pela sua obra.

A Comenda é uma homenagem a Nilo Peçanha nascido em 2 de outubro de 1867, em Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro. Assumiu a Presidência da República após o falecimento de Afonso Pena, em 14 de junho de 1909 e governou até 15 de novembro de 1910.

Peçanha foi descrito como sendo mulato e era frequentemente ridicularizado na imprensa em charges e anedotas que se referiam à cor da sua pele. Durante sua juventude, a elite social de Campos dos Goytacazes chamava-o de “o mestiço de Morro do Coco”.

Em 1921, quando concorreu à presidência da República como candidato de oposição, cartas atribuídas falsamente ao candidato governista, Artur Bernardes, foram publicadas na imprensa e causaram uma crise política pois insultavam o ex-presidente Marechal Hermes da Fonseca, representante dos militares.

Alguns pesquisadores afirmam que suas fotografias presidenciais eram retocadas para branquear sua pele escura. Alberto da Costa e Silva diz que Nilo Peçanha foi apenas um dos quatro presidentes brasileiros que esconderam os seus ancestrais africanos, sendo os outros Campos Sales, Rodrigues Alves e Washington Luís. Já o presidente Fernando Henrique Cardoso confirmou ser descendente de uma escrava.

Abdias Nascimento afirma que, apesar de sua tez escura, Nilo Peçanha escondeu suas origens africanas e que seus descendentes e família sempre negaram que ele fosse mulato.

Casou-se com Ana de Castro Belisário Soares de Sousa, conhecida como “Anita”, descendente de aristocráticas e ricas famílias campistas. O casamento foi um escândalo social, pois a noiva teve que fugir de casa para poder se casar com um sujeito pobre e “mulato”, embora político promissor.

Faleceu em 1924, no Rio de Janeiro, afastado da vida política e foi sepultado no Cemitério de São João Batista.

10150707_10152358780994218_548067992_n
Pai Jorge de Ogunjá recebendo a Comenda Nilo Peçanha das mãos do prefeito Alessandro Calazans
Foto: CIAFRO

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua