Breaking News

Britânica canta na Bahia e se surpreende com musicalidade

Malika Shah | Estudante da Universidade de Oxford

2 janeiro 2016

 

 

Image copyrightMalika ShahImage captionBlogueira diz que relação do brasileiro com a música é especial e intensa
Image copyright | Malika Shah | Image caption | Blogueira diz que relação do brasileiro com a música é especial e intensa

A decisão recente da Unesco, a agência da Organização das Nações Unidas para educação e cultura, de nomear Salvador como “cidade da música” só reforça algo que para mim ficou bem claro quando morei na Bahia.

O brasileiro, em geral, e o baiano, em particular, tem uma relação especial e intensa com a música, que não existe da mesma forma no meu país, a Inglaterra. Os ingleses gostam muito de música, mas não podem ser comparados ao amor dos brasileiros pelos ritmos.

Invariavelmente a segunda pergunta que me faziam ao me conhecerem em Salvador era: “Que tipo de música você gosta?”

Vinha logo depois do tradicional “Muito prazer. Você tem Whatsapp?”

A capital baiana se divide em várias tribos musicais, todas muito apaixonadas pelos seus gêneros favoritos. Uns ODEIAM pagode ou arroxa, outros ADORAM MPB. Há alguns que só querem saber de forró, outros de samba, e por aí vai.

Aprendi uma frase que para mim resume a paixão do povo pela música: “O baiano não nasce, estreia.”

Eu sei que generalizo e toda generalização comete erros. Claro que nem todo baiano gosta tanto assim de música ou “leva jeito para música” como se diz por lá. Peço desculpas aos que se sentiram incluídos indevidamente.

Mas foi apenas através da música que consegui ir além da imagem clichê que tinha do Brasil formada pelo que ouvia na Inglaterra.

Só consegui me livrar dessa imagem estereotipada quando comecei a aprender a música da Bahia.

Percussão

A música que ouvi na Bahia causou um profundo impacto em mim, e é algo que vou carregar pelo resto da vida.

Confesso que antes de chegar a Salvador conhecia pouco a música brasileira.

Image copyrightMalika ShahImage caption'Depois de ouvir o Olodum ensaiando nas ruas do Pelourinho, decidi aprender a tocar como eles: me matriculei num curso de percussão afro-brasileira', diz estudante
Image copyright| Malika Shah | Image caption | ‘Depois de ouvir o Olodum ensaiando nas ruas do Pelourinho, decidi aprender a tocar como eles: me matriculei num curso de percussão afro-brasileira’, diz estudante

Garota da Ipanema e Mais que Nada era tudo que já tinha ouvido.

Aos poucos fui sendo atraída pela batida que ouvia pela cidade, quando dei por mim já amava o ritmo e esse amor já beirava a obsessão.

Eu toquei bateria e percussão orquestral na Inglaterra, mas tocava com partitura, reproduzia em som cada colcheia e semicolcheia escrita, bem preto no branco.

Mas depois de ouvir o Olodum ensaiando nas ruas do Pelourinho decidi aprender a tocar como eles.

Me matriculei num curso de percussão afro-brasileira, onde aprendi ritmos de Candomblé.

Mais que um adorno

No início, a informalidade me irritou muito. Sentia falta da documentação. Sem ela não conseguia estudar em casa, não tinha um ponto de referência concreto.

Mas essa acabou sendo a coisa mais importante que aprendi. A falta de documentação não significa que a música afro-brasileira não tem o rigor ou a disciplina da musica clássica.

Image copyrightMalika ShahImage captionMalika Shah é uma das blogueiras do 'Para Inglês Ver'
Image copyright | Malika Shah | Image caption | Malika Shah é uma das blogueiras do ‘Para Inglês Ver’

 

Os ritmos eram tão complexos que nem sabia como transcrevê-los.

A percussão está no centro da música baiana, é seu alimento e seu produto final. Não é apenas um enfeite, um adorno, como na música que tocava na Inglaterra.

Não só foi a percussão que me inspirou na Bahia, mas a abundância da música a ponto de se tornar ponto focal na vida social.

Enquanto na Inglaterra, a gente sai com amigos para jantar ou para beber num bar, em Salvador eu saía para sambar, dançar forró, ouvir jazz ou assistir a um show musical.

A música e não a bebida era a atração principal.

E a qualidade da música popular é surpreendente. Me encantei com o samba nas praças, com o forró nas festas de São João, com o reggae que se ouve nos botecos.

Nunca experimentei uma abundância musical tão grande e tão despretensiosa.

Na Bahia, os gostos musicais não são determinantes do status social, nem reveladores da idade ou do nível de sofisticação, como podem ser em Londres, onde é suicídio social alguém admitir que gosta de Taylor Swift, se a pessoa tiver mais de treze anos.

Prefiro a liberdade de escolha que se tem na Bahia. Afinal, o mundo já está cheio de preconceitos. Vamos deixar a música fora disso.

Listo aqui meus preferidos, me mande os seus: Baiana System, Russo Passapusso, Tiguaná Santana, Dão, Orquestra Rumpilezz, Garagem, Mateus Aleluia, Ilê Aiyê, Conexão Negra.

 

Extraído da versão brasileira do jornal britânico BBC
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160102_blog_para_ingles_ver_musica_baiana_ms_hb

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *