Breaking News

Cabeleira afro volta à moda na Copa após sucesso nas décadas de 60 e 70

Estrelas brasileiras, de seleções africanas e até da Bélgica fazem visual ganhar força novamente e se tornar uma das atrações do Mundial

  cabeludosNos treinos da seleção brasileira, na Granja Comary, três jogadores podem ser facilmente notados à distância. Dante, Marcelo e Willian têm em comum, além do fato de estarem representando o país na Copa do Mundo, as vastas cabeleiras afro. O estilo capilar, popularizado no futebol entre as décadas de 60 e 70 por estrelas como Jairzinho, Paulo Cézar Caju e Júnior, está de volta. E não apenas na equipe canarinho. Seleções da Europa, da África e sul-americanas também terão adeptos do visual. Willian começou a deixar o cabelo crescer quando ainda defendia o Corinthians, mas passou a ser conhecido pelo afro durante o período em que defendia o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. Marcelo também adotou o estilo em território europeu. Dante é fiel ao visual desde pequeno, e se inspirou no pai, o artista plástico João Carlos, dono de uma cabeleira com dreadlocks que se mantém intacta há 19 anos. - Meu pai tem cabelo “rasta” há muito anos. Certa vez fiz uma experiência para ver como ficaria e acabei gostando, e minha esposa também. Já tem muito anos que deixo o cabelo ficar grande assim – explicou. MEU CABELO ENROLADO TODOS QUEREM IMITAR
dante_mowapress
Dante no treino da Seleção (Foto: Mowa Press

Os meias Fellaini e Witsel são dois dos símbolos da seleção belga que virá ao Brasil para a disputa do Mundial. A atual geração é cotada como uma das melhores da Europa, o que os coloca entre as equipes capazes de surpreender os favoritos. Os dois jogadores também adotaram o cabelo afro e chamam a atenção dos torcedores por causa da aparência.

Nos tempos em que defendia o Everton, entre 2008 e 2013, o cabelo de Fellaini teve influência tão forte culturalmente para o clube que muitos torcedores, especialmente jovens e crianças, costumavam ir para o estádio vestindo perucas para imitá-lo. O meia, atualmente no Manchester United, não pensa em se desfazer do corte, apesar de admitir que é preciso moldá-lo para não atrapalhar o desempenho em campo. - Corto regularmente, caso contrário, após alguns meses, eu não conseguiria ver a bola, especialmente quando há muita chuva – relatou à revista “Match of the day”. Entre as seleções africanas, o lateral Assou-Ekotto, de Camarões, é o dono da cabeleira mas vasta. Bony, da Costa do Marfim, também é adepto, e Carlos Sánchez, da Colômbia, completa o time dos afros estrangeiros.
marcelo_brasil_-jeffersonbernardes_vipcomm
Marcelo em coletiva de imprensa da seleção brasileira (Foto: Jefferson Bernardes / Vipcomm)

“NO MEU TIME NÃO JOGA”  
João Saldanha brinca com o cabelo de um fã (Foto: Reprodução)
João Saldanha brinca com o cabelo de um fã (Foto: Reprodução)
Se visualmente e até comercialmente o estilo pode ser vantajoso para os jogadores, tecnicamente há quem não aprove. Alguns treinadores costumam reclamar com alegações curiosas. O jornalista João Saldanha que comandou a seleção brasileira e o Botafogo, já protagonizou uma divertida reportagem em que explicou as razões para que o afro seja um problema. - Nos crioulos, “black power”, com aquela “grama” daquele tamanho, eles perdem a conta da bola. Já vi o Zequinha (atacante com passagens por times como Flamengo, Botafogo e Grêmio) na frente do gol dar uma cabeçada, amorteceu aquilo no “black”, na “grama”, e o goleiro pegou. Se pega num “coco” bem raspadinho… estou falando do ponto de vista técnico. Se eles gostam, faz uma peruca, ajeita, na hora do serviço usa uma ferramenta, na hora do “rebolado” usa outra, compreendeu? Enquanto Saldanha fazia seu “discurso”, um transeunte com o cabelo afro parou para acompanhar a gravação, e o jornalista passou a usá-lo como exemplo para complementar a análise. - Olha aqui (disse enquanto tocava o cabelo do torcedor), amaciou a bola, a bola é capaz de parar aqui. Que ande assim na rua, eu acho bacana, acho legal, mas no meu time não joga, não.  
Fellaini em treino da Bélgica preparatório para a Copa do Mundo (Foto: AFP)
Fellaini em treino da Bélgica preparatório para a Copa do Mundo (Foto: AFP)
Fellaini já foi pressionado a cortar o cabelo. O técnico David Moyes usou uma outra justificativa e dizia que o visual transforma o belga em um alvo fácil para os árbitros. O jogador, contudo, nem pensou na possibilidade. - Cortar meu cabelo? Por que eu deveria? Parece fantástico. Não acho que devo cortá-lo. Eu gosto, e os fãs também – afirmou ao jornal “Daily Mirror” Dante nunca recebeu pedido semelhante. Se algum dirigente ou treinador tiver a ousadia de tentar dar fim à sua marca registrada, a resposta está na ponta da língua. - Ninguém ainda se dirigiu a mim com essa proposta indecente. Mas acho que não cortaria.  
Ekoto, lateral do Tottenham (Foto: Getty Images )
Ekoto, lateral do Tottenham (Foto: Getty Images )
NEGRO É LINDO O estilo capilar ficou conhecido mundialmente durante a década de 60, no auge da luta dos negros pelos direitos civis nos Estados Unidos. Através do movimento cultural “Black is beautiful” (Negro é lindo), que encorajava homens e mulheres a não esconder suas características, acabou se tornando uma marca registrada e, na década seguinte, se popularizou entre os boleiros. Na Copa de 1974, Jairzinho e Paulo Cézar Caju eram os representantes. Em 1978, Jorge Mendonça e Rodrigues Neto. No Mundial de 1982, Júnior, Serginho Chulapa e Edevaldo mantiveram as cabeleiras em alta.   Extraído do site da Revista Back Brasil http://revistablacklifebrasil.blogspot.com.br/2014/06/cabeleira-afro-volta-moda-na-copa-apos.html

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *