Breaking News

Cadeira de Jubiabá é devolvida 95 anos depois de apreensão

Da Redação | Ter, 27/10/2015 às 15:59 | Atualizado em: 27/10/2015 às 16:02

 

 

Reprodução | IGHB A polícia retirou o trono da casa do babalorixá no Alto da Cruz do Cosme como um troféu
Reprodução | IGHB
A polícia retirou o trono da casa do babalorixá no Alto da Cruz do Cosme como um troféu

A cadeira de Jubiabá, famoso babalorixá baiano, será devolvida pelo Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB) na quarta-feira, 28, depois de ter sido roubada pela polícia em 1920. O Terreiro do Mokambo, que receberá a cadeira como parte do Memorial da casa, fará entronização e sacralização do objeto no mesmo dia.

A devolução pública será na sede do IGHB, localizada na Avenida 7 de Setembro, Praça da Piedade, às 10h. A polícia retirou o trono da casa do babalorixá no Alto da Cruz do Cosme como um troféu e por 95 anos a cadeira ficou sob a guarda do instituto. Severiano de Abreu, ou Jubiabá (1886-1937), foi capitão do Exército e personagem de romance homônimo do escritor Jorge Amado (1912-2001).

O Terreiro do Mokambo, protegido pelo Estado através de tombamento provisório do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), fica na Vila 2 de Julho, e fará a homenagem às 19h.

 

Simbologia

O trono ou a cadeira de uma yalorixá ou babalorixá se confunde com a cadeira de seu orixá. É considerado um símbolo máximo de poder e respeito no candomblé; um símbolo sagrado, diante do qual os filhos se prostram, em cumprimento e respeito.

Um pai ou mãe-de-santo, quando é confirmado no cargo, isto é, entronizado, é sentado na cadeira, como o eram os reis e as rainhas. A cadeira é o trono do terreiro, de onde a mãe ou o pai-de-santo governam.

Ainda existem as cadeiras dos oloiês, ebômis e outros que têm cargos. Terreiro do Mokambo, que descende do Terreiro São Jorge Filho da Goméia, é dirigido pela Mameto Altanira Maria Conceição Souza, a famosa Mãe Mirinha de Portão. Mirinha era filha de Joãozinho da Goméia que, por sua vez era filho de Jubiabá.

 

Extraído do site do Jornal A Tarde / Salvador – BA
http://atarde.uol.com.br/bahia/salvador/noticias/1722379-cadeira-de-jubiaba-e-devolvida-95-anos-depois-de-apreensao

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *