Breaking News

Candomblé de Caboclo, Oxossi e a Umbanda

 

Postado por: Extra.globo.com em Brasil 22/08 5:25

 

oxossicaboclo (2)

Das três principais etnias Nagô (ou Kétu), Fon (ou Jeje) e Angola (ou Bantu) que deram forma ao Candomblé no Brasil, os Bantus foram os que mais se aproximaram aos nativos brasileiros. Com isso no final do século XVIII surgiram no Recôncavo Baiano os primeiros Candomblés de Caboclo.

 

Os dirigentes desses Terreiros cultuavam no mesmo terreno, mas em espaços separados, divindades africanas e espíritos de nativos brasileiros denominados de “Índios ou Caboclos”. Esses espíritos, quando se manifestavam nestes Terreiros, eram classificados como Caboclos de Pena ou Caboclos de Couro.

Os Caboclos de Pena eram os índios das tribos que viviam da caça, pesca e que se adornavam com penachos, cocares e colares artesanais. Os Caboclos de Couro eram os espíritos dos vaqueiros ou boiadeiros tratadores de gado que usavam indumentárias e chapéus de couro. Todos esses Caboclos tinham como finalidade o aconselhamento aos aflitos, lhes indicando banhos, defumadores, oferendas e tudo que pudesse ajudá-los na resolução dos problemas.

 

Esses Candomblés de Caboclos foram importantes na conquista de novos adeptos, por ter uma percepção menos formal em sua forma de culto, por cultuarem tanto as divindades africanas (conservando a essência de seus ritos) quanto os Caboclos da terra.

Os antigos sacerdotes desses Terreiros correlacionaram os nossos Caboclos ou nativos ancestrais ao Senhor da floresta e Dono da caça: Oxossi.

 

Na África, o culto a Oxossi desapareceu quando a cidade de Kétu foi dominada pelos Fons, com a ajuda dos europeus. O culto a Oxossi foi difundido aqui, no Brasil, com a vinda de importantes sacerdotes na época da colonização.

 

Oxossi na Umbanda é Chefe da Falange de Caboclos e está sincretizado a São Sebastião. Os Caboclos na Umbanda são Guias, Chefes de Terreiros que trabalham em prol da evolução espiritual de todos, através da prática da caridade.

 

Aqui estão alguns nomes de Caboclos: Caboclo Pena Branca, Pena Vermelha, Tatuité, Junco Verde, Aimoré, Guará, Cacique das Matas, Cobra-coral, Cabocla Jarina, Cabocla Jurema, Cabocla Jacira, Ventania, Caçador, Sete Estrelas da Jurema, Sete Flechas, Rompe Mato, Boiadeiro Navizala e Boiadeiro da Campina.

Okê, Caboclo!

Xetruá, Marronbaxetú!

Em Guarani: Nandejara tande rovasa! (Deus vos abençoe!).

Axé!

 

Aprenda e pratique os Ebós e Magias com as Apostilas de Pai Paulo de Oxalá e adquira o também o CD com Orações Poderosas. Contatos: ligue para 2557-2139 ou 2556-9009 ou envie seu e-mail para paulodeoxala@uol.com.br.

 

Extraído do site Jornal Extra / Coluna Pai Paulo de Oxalá

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *