Breaking News

Casos de intolerância religiosa terão diferenciação

Novos policiais do Amazonas serão capacitados para atender vítimas

quarta-feira 8 de outubro de 2014 – 8:00 AM

Thiago Freire / portal@d24am.com

Representantes de religiões afro participarão de treinamento de policiais para combater intolerância religiosa.Foto: Agecom/ Bahia
Representantes de religiões afro participarão de treinamento de policiais para combater intolerância religiosa.Foto: Agecom/ Bahia

 

Manaus – Com três meses de atraso, a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP) elaborou a programação do curso específico para os agentes da segurança pública que atuarão no enfrentamento à intolerância religiosa no Amazonas.

A capacitação foi recomendada pelo Ministério Público Federal (MPF) em maio deste  ano com prazo de 60 dias para qualificar os policiais civis e militares e 120 dias para providenciar instalações especiais.

O ouvidor-geral do Estado, Aloízio Paes, que coordena a elaboração do curso, afirmou que somente em 30 dias o conteúdo programático estará pronto.

“Vamos estudar a melhor forma deste curso alcançar o maior número de policiais, o ideal é que o curso seja presencial e será inserido na formação básica dos próximos policiais que entrarem no sistema de segurança pública”, disse o ouvidor.

A capacitação será realizada pelo Instituto Integrado de Ensino de Segurança Pública do Estado (Iesp-AM).

Cartilha

A Ouvidoria do Estado, em parceria com três associações religiões de matriz africana, também elaborou a cartilha ‘Campanha em Defesa da Liberdade de Crença e Contra o Ódio Religioso’.

Segundo Aloízio, a publicação será lançada este mês em um grande evento, ainda sem data definida.

Em junho deste ano, o PortalD24AM publicou que em nove anos 15 pais e mães de santo sofreram crimes de intolerância religiosa em Manaus, segundo levantamento da Articulação Amazônica de Povos Tradicionais de Matriz Africana (Aratrama). Os dados foram usados pelo MPF para embasar as recomendações à SSP.

Na reportagem, o procurador da República, Júlio José Araújo Júnior, explicou que a recomendação era resultado de um inquérito civil público, que mostrou o aumento de crimes por intolerância religiosa na capital.

“As comunidades tradicionais e seus representantes apresentaram casos que iam de violências cotidianas até físicas em audiência pública realizada ano passado. Após isso, apuramos e percebemos que, embora exista na Casa Civil um projeto de delegacias especializadas, os órgãos de segurança deram respostas genéricas e não souberam dar detalhes dos crimes, pois não apuram essa diferenciação”, explicou Júnior.

 

Extraído do Portal d24am.com

http://new.d24am.com/noticias/amazonas/casos-intolerancia-religiosa-terao-diferenciacao/121467

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *