Breaking News

CCIR realizou a 8ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, no domingo, dia 20 de setembro, em Copacabana.

Adeptos de diversos credos religiosos participam da caminhada. Foto: Henrique Esteves
Adeptos de diversos credos religiosos participam da caminhada. Foto: Henrique Esteves

Mais de 10 mil pessoas de diferentes credos fizeram um ato na Avenida Atlântica, em Copacabana, ontem, durante a 8º Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. A Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) vem chamando à razão da sociedade para o perigo de uma ditadura religiosa em um país como o Brasil, que é diversificado, repleto de crenças e laico. A Comissão, agora mais do nunca, mostra que, independente de crenças, todos são iguais. Representantes do candomblé, umbanda, católicos, budistas, muçulmanos, judeus, wiccanos, hare krishnas, ciganos, dentre outros se fizeram presentes. Além de novos adeptos como mórmons e bases evangélicas.

O dia começou às 9h, com café da manhã, no CIB – Clube Israelita Brasileiro, com vários líderes religiosos. Mais o ponto alto ficou por conta da assinatura do termo de compromisso, de apoio e suporte a grupo de policiais militares cariocas, que são seguidores das religiões de matrizes africanas, nos moldes do NAFRO, já instituído em SP e Salvador.

Prof Ivanir dos Santos, Coronel Ibis, Coronel Ubiratan - cred Bi & Ro Assessoria de Imprensa
Prof Ivanir dos Santos, Coronel Ibis, Coronel Ubiratan – cred Bi & Ro Assessoria de Imprensa

Das muitas manifestações apoio, a caminhada foi considerada por todos como necessária. O interlocutor da Comissão (CCIR), babalaô Ivanir dos Santos, pediu também que os crimes motivados pela religião sejam investigados e punidos. “Primeiro, as delegacias têm de registrar esses casos como intolerância religiosa e não, como rixa de vizinho e desentendimento. Segundo, é importante esses casos chegarem até o Judiciário e ele tomar suas medidas”, alegou.

Kayllane, Ivanir dos Santos cred Henrique Texeira
Kayllane e Ivanir dos Santos. Foto: Henrique Teixeira

Apedrejada na saída de um culto de candomblé em junho, a menina Kayllane Campos, de 11 anos, participou da caminhada. Para ela, a violência religiosa nasce do sentimento de superioridade e de ignorância. “O mesmo Deus que eles cultuam na igreja deles, a gente cultua na nossa também, mesmo que o nome “Deus” seja diferente”, declarou.

Também presente, a empresária Luzia Lacerda, que organizará a Expo Religião 2015, no Sul América, em novembro. “O intuito da expo religião, através da feira é mostrar a sociedade que a convivência é possível desde que haja respeito, como esse ato aqui e agora”. O humorista Nelson Freitas, Elisa Larkin (viúva de Abdias Nascimento), marcaram presença.

Kaylane e menino Franciscano - Iere Ferreira
Kaylane e menino Franciscano – Iere Ferreira

A programação seguiu na altura do Posto 5, por volta da 11h, começou com uma concentração, com o apoio de carros de som, com faixas e cartazes, representantes de diversas religiões, que seguiram andando e dançando juntos, em direção ao Posto 6, Lido. Antes de iniciar o percurso, representantes do candomblé e da umbanda fizeram pequenas rodas de cânticos e danças.

No alto dos 40ºC, típico calor carioca, os ritmos e o batuque africanos animaram à tarde de domingo, com apresentação de 30 policiais militares da banda da PMERJ, que abriam o trajeto tocando o Hino Nacional.

De cima do trio, Filhos da Gandhi, o Ogã Kotoquinho fez um pré aquecimento com a música “Oxum Senhora das Águas Doces” e um cântico para Iemanjá. O príncipe nigeriano Jokotoye Awolade Bankole, fez uma saudação, com uma declamação em yorubá. A marcha contou com a participação especial no palco com Arlindo Cruz, que defendeu a liberdade religiosa como também saudou a multidão com alguns de seus maiores sucessos como “Menina Carolina”, de Bebeto, é de sua autoria “O que é o Amor”, entre outros. Arlindo ganhou reforço do músico Rogê.

Arlindo Cruz e Rogê no Trio - Foto Iere Ferreira
Arlindo Cruz e Rogê no Trio – Foto Iere Ferreira

Em frente o trio, a dança predominou com apresentação de Afoxé Maxambomba, com direito ao Rei Toja dos Reis e a Rainha Izabel Carvalho, entre outros. A maioria dosa participantes, claro, usava roupas brancas, simbolizando a paz e axé. Ou seja, um domingo de devoção e reflexão, acabando os festejos por voltas das 5h.

Padre Fabio,Diacono Nelson , Ivanir dos Santos
Padre Fabio, Diácono Nelson e Ivanir dos Santos
Fonte: Bi & Ro Assessoria de Comunicação
Rozangela Silva
Sócia Diretora
Bi & Ro Assessoria de Comunicação
Telefone: 21 2508 6245 / 21 3026 7242
Celular: 21 99998 1802
Endereço: Av. Rio Branco, 120 / Sala 628 Centro – RJ

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *