Breaking News

Centro busca reconhecimento de terreiros como espaço religioso

thumb-c-1280x400-0x0centro-busca-reconhecimento-de-terreiros-como-espaco-religioso-dae5797a-c4dc-4cdd-81a3-b6082005ccd2

Assunto será discutido nesta sexta-feira, em café da manhã

Ananda Omati    18 de Fevereiro de 2016 13:46 Atualizada às 17:03

 

Nesta sexta-feira (19) acontece um café da manhã organizado pelo Centro Nacional da Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (Cenarab) em Teresina. O evento é voltado para toda a comunidade da capital piauiense e visa discutir temas como a liberdade religiosa, além do lançamento do projeto que é uma parceria do Cenarab com a Secretaria Municipal de Economia Solidária (Semest). A reunião acontece no auditório Mestre Dezinho, na Praça Pedro II.

 

(Crédito: Gabriel Paulino )
(Crédito: Gabriel Paulino )

 

Segundo a coordenadora estadual do Cenarab, Mãe Ruthneia de Iansã, o Centro busca o reconhecimento dos Terreiros como um espaço religioso e de fé. “Queremos tirar os Terreiros do quintal, porque as outras igrejas estão nas avenidas e nós estamos escondidos. Precisamos mostrar o nosso povo, o reconhecimento e junto com a Semest, estaremos apoiando os donos de terreiro com o projeto de sustentabilidade”, explicou a coordenadora.

Além do lançamento do projeto, a comunidade também vai discutir sobre a implementação da cultura negra nas escolas e colégios do Brasil. Segundo a Lei 10.639/03, alterada pela Lei 11.645/08, que prega a obrigatoriedade do ensino sobre a história e a cultura afro-brasileira e africana nas escolas públicas e particulares, do ensino fundamental ao ensino médio. “Porque existe uma história do negro sem o Brasil, mas não existe a historia do Brasil sem o negro. Estamos buscando esse movimento de valorização, de qualidade de vida para os terreiros”, completou a coordenadora.

O evento conta com a presença dos pais e mães de santo de terreiros. A Cenarab também busca por em pauta outros temas como as cestas básicas destinadas ao povo e o recadastramento da Comunidade Tradicional de Terreiro. “Nós queremos só levar nossa mensagem de paz, amor, felicidade e de muita luz para todos”, finalizou Mãe Ruthneia de Iansã.

 

Extraído do blog Theresina do Jornal Meio Norte / Teresina – PI
http://jornal.meionorte.com/theresina/centro-busca-reconhecimento-de-terreiros-como-espaco-religioso-285462

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *