Breaking News

Centro de Umbanda em Piatã é atacado durante festa e três pessoas ficam feridas

Segundo coordenadora do templo, vizinho suspeito de ataque com fogos de artifício disse que ‘odeia macumbeiros’

Da Redação (redacao@correio24horas.com.br)

13/02/2017 14:20:00Atualizado em 13/02/2017 17:33:15

 

O Centro de Umbanda Oxum Apará (Cumoa), no bairro de Piatã, em Salvador, sofreu um ataque durante uma festa beneficente, que acabou deixando três pessoas feridas. A ação ocorreu por volta das 19h do último sábado (11), durante show do grupo Armandinho Dodô & Osmar.

O espaço, que funciona na Rua Luciano Pacheco, existe há 47 anos e foi fundado por Hebe Macedo, viúva de um dos inventores do Trio Elétrico, Osmar Macedo. Atualmente, o centro é coordenado pela filha mais jovem de Osmar, Taiane Macedo.

“Estamos em consternação. Nós fizemos o baile para arrecadar fundos para o centro, não teve nenhum tipo de manifestação religiosa”, lamentou Taiane. Ela disse ainda que logo no início do show, por volta das 18h30, o vizinho que realizou o ataque lançou três rojões no meio da festa.

Centro de Umbanda Oxum Apará
(Foto: Divulgação)

“Nós paramos a festa e falamos com ele, então continuamos o show. Quando Ana Mametto começou a cantar, jogaram de novo e só pararam quando meus irmãos [os irmãos Macedo] entraram no palco”, afirmou Taiane. No momento do ataque, cerca de 150 pessoas estavam na festa.

Uma pessoa ficou ferida na perna, outra no pé e uma terceira no tímpano. Elas foram atendidas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itapuã e passam bem. “A pessoa que feriu o ouvido irá hoje (segunda) para um otorrino para ser melhor examinada”, disse a responsável pelo centro.

Intolerância
De acordo com Mãe Taiane, o vizinho responsável pelo ataque já se declarou contrário aos trabalhos realizados pelo centro. Ele teria dito a outro vizinho que “odeia macumbeiros” e queria as pessoas que frequentam o espaço longe da casa dele.

“É um caso de intolerância. Ele não conhece o nosso trabalho, não sabe o que fazemos aqui, mas mesmo assim se manifesta dessa forma. Se ele estivesse incomodado com alguma coisa, poderia chegar e conversar conosco”, desabafou a coordenadora do centro. Ela disse ainda que esta não foi a primeira vez que o local é atacado.

“Em outubro, fizemos uma festa cigana aqui e essa mesma pessoa jogou dois rojões, mas felizmente ninguém ficou ferido”, contou. O centro, que foi fundado em 1969, começou a funcionar no bairro do Bonfim, na casa da família Macedo. Há cerca de dois anos foi transferido para Piatã. Segundo Mãe Taiane, o centro atende atualmente cerca de 300 pessoas.

O caso foi registrado na 12ª Delegacia de Polícia Civil (DT/Itapuã). As pessoas que ficaram feridas realizaram o exame de corpo de delito. “Estamos tomando todas as medidas necessárias para que essa pessoa seja devidamente responsabilizada”, completou Taiane.

Denúncias de intolerância religiosa crescem mais de 330% em 1 ano
O número de denúncias de casos de intolerância religiosa contra religiões de matrizes africanas têm crescido na Bahia. Segundo dados do Ministério Público, até o mês de novembro de 2016 foram registrados 56 casos, sendo que apenas um deles não foi direcionado para prática religiosa de matriz africana. Em 2015, foram registrados 13 casos. Isso significa um aumento de 330% em um ano.

Motivado pelo aumento, o órgão expediu uma nota técnica que orienta os promotores sobre a imposição de limites sonoros durante cultos e liturgias de religiões de matriz africana. De acordo com a promotora Lívia Santana, muitas denúncias de poluição sonora que chegam ao MP são, na verdade, casos de intolerância religiosa sobre os cultos praticados nos terreiros de candomblé, e não crime ambiental.

“A nota orienta que os membros do MP analisem com mais afinco esses casos, antes de assinarem um termo de ajustamento de conduta, antes que inviabilizem a atividade do terreiro, obrigando a fazer isolamento acústico, por exemplo. Que se coloque na balança os dois direitos, liberdade de crença e do ambiente”, explicou a promotora.

 

Extraído do site do Jornal Correio 24hs / Salvador – BA
http://www.correio24horas.com.br/detalhe/salvador/noticia/centro-de-umbanda-e-atacado-durante-festa-em-salvador/?cHash=035e9c84263c7b1ae978d59768299af8

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *