Breaking News

Consciência Negra: é tempo de refletir

Sesc promove seminários e atividades sobre o tema durante o mês de novembro

publicado em 04-11-14

 

cabecalho_imo

 

Com a finalidade de homenagear, provocar o debate, mobilizar a sociedade e ressaltar a importância da cultura e do povo africano na formação da identidade brasileira, o Sesc no Rio de Janeiro preparou uma série de atividades, que se iniciam no dia 1/11, em diversas unidades.

Seminários e programação cultural voltados para discussão da influência das matrizes africanas em nossa cultura, educação e saúde. Além de shows, espetáculos e exposições, também fazem parte da programação, todas voltadas à conscientização e reflexão pelo Dia da Consciência Negra, que é celebrada oficialmente no dia 20 de novembro – dia da morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.

ÍMÓ – O Despertar da Consciência
Em tempo de abrir a mente, abandonar o preconceito e refletir, criamos um conceito denominado ÍMÓ, que estará presente em todas as atividades do mês da Consciência Negra no Sesc. ÍMÓ é uma palavra de origem africana que significa: juízo, conhecimento, sabedoria. É através dela que surge o novo conceito criado pelo Sesc no Rio de Janeiro que pretende provocar o debate e mobilizar a sociedade brasileira sobre o temas sociais.

Refletir sobre a importância do negro e das raízes africanas na formação da sociedade e cultura do Brasil, sem apego ao preconceito, estereótipos e ao politicamente correto. Criar um debate com embasamento e propriedade é o foco do ÍMÓ, nesse primeiro momento.

Ele surge como o ponto de partida para incentivo a debates dentro da temática que move o mês de novembro, com a pretensão de se estender a todo e qualquer tipo de questões e reflexões sociais.

Em dezembro de 2013, em assembleia geral, a ONU aprovou uma resolução que criou a Década Internacional de Afrodescendentes, intitulada “Pessoas Afrodescendentes: reconhecimento, justiça e desenvolvimento”, a Década será celebrada de 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024. O objetivo é aumentar a conscientização das sociedades no combate ao preconceito, à intolerância, à xenofobia e ao racismo.

“ÍMÓ Seminário”
Ocorre nos dias 12 e 19/11, no auditório do Sesc no Flamengo, o “ÍMÓ Seminário”, com o total de 3 mesas de debates, que discutem temas relacionados a questão do negro no Brasil. Os encontros reúnem representantes dos diversos setores sociais, incluindo pensadores, artistas, mestres das tradições afrodescendentes, professores e pesquisadores.

Além disso, diversas unidades do Sesc no Rio de Janeiro apresentam uma programação especial em comemoração ao mês da Consciência Negra. Confira aqui as atividades oferecidas:

 

botao_seminario_novo

 

ÍMÓ pelas ruas do Rio

O espetáculo “Yebo” com o grupo Gumboot Dance Brasil, além de passar por algumas unidades, vai tomar conta de alguns espaços públicos do Rio de Janeiro, vale a pena conferir:

Gumboot dance (dança de botas de borracha) é uma forma de dança popular que foi criada pelos trabalhadores no século XIX nas minas de ouro e de carvão da África do Sul. Yebo é o segundo espetáculo do Grupo Gumboot Dance Brasil. Ele aborda a exploração, tanto das minas como dos sete povos levados para extração do minério, a criação de um dialeto sonoro a partir das batidas nas botas de borracha, a espera das mulheres por seus maridos mineiros durante a temporada de exploração das minas. As músicas foram criadas especialmente para este espetáculo.

Locais e datas:
11/11, 17h Cinelândia
12/11, 12h Largo do Machado
13/11, 18h Praça Saens Pena
14/11, 16h Sesc Madureira
15/11, 11h Lago do Quitandinha
16/11, 14h Sesc São João de Meriti (Pátio)
Valor: Grátis.
Classificação: Livre.

ÍMÓ na Quinta da Boa Vista

23/11 – Programação especial Dia da Consciência Negra na Quinta da Boa Vista
A Quinta é uma área de lazer democrática, com opções culturais, que no século XIX foi residência da Família Imperial Brasileira, por tanto tem ligação histórica com o tema do Projeto e possui uma frequência de público, em sua maioria, com menor renda familiar.
10h – Trança Nagô –Orientação e execução do trançar o cabelo, valorizando a beleza  da mulher negra e seus cabelos; Trançando com Jornal –  transformar o jornal em pequenos  potes , que rementem a cultura africana; Bonecas Africanas – confecção de bonecas  de Pano com temática africana, sob orientação; Brinquedoteca – Contação de histórias da Cultura Negra; Oficina Baobá-Brasil – Amarrações com turbantes africanos; Oficina Namoradeiras – Criação de esculturas namoradeiras; Apresentação artística, unindo narração, poesia, canto e dança; Atividades de Educação em Saúde.
11h – Roda de Capoeira – Expressão Cultural Brasileira que mistura arte marcial, esporte, cultura popular e música.
12h – Danças Populares – jongo, maculelê,capoeira,samba de roda e tombor de crioula.
13h – Contação de Histórias: Zumbi a voz da resistência – Falar do mito, Zumbi dos Palmares, é falar de liberdade e de resistência;
15h – Fuzuezinho  – com a Cia de Aruanda – espetáculo educacional e interativo com dança, música ao vivo e contação de história.
17h – Show Musical com Arlindo Cruz e Banda

Dia da Consciência Negra

A data foi criada em homenagem a Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares. Morto em 1695, Zumbi defendeu seu povo e as comunidades quilombolas, que representavam a resistência ao sistema escravista e mantinham a cultura africana no Brasil.

Datada em 2003 pela Lei nº 10.639, que também tornou obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas. Em 2011, o governo federal sancionou outra lei instituindo o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, mas tanto a lei de 2003 quanto o decreto da presidente Dilma Roussef deixam a critério de cada cidade escolher se será ou não decretado feriado.

See more at: http://www.sescrio.org.br/noticia/04/11/14/consciencia-negra-e-tempo-de-refletir#sthash.pfL3vBdf.dpuf

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *