Breaking News

Conselho de Igualdade Social denuncia caso de racismo

MPE vai cobrar apuração de suposta injúria racial contra iyalorixá no Benedito Bentes II, no último dia 25 de setembro

Por Fillipe Lima e Pedro Ferro | Portal Gazetaweb.com     20/10/2016 16h01 – Atualizada às 20/10/2016 17h22

Presidente do Conepir oficializou pedido junto ao Ministério Público FOTO: PEDRO FERRO
Presidente do Conepir oficializou pedido junto ao Ministério Público
FOTO: PEDRO FERRO

 

O Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Conepir) solicitou ao Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), nesta quinta-feira (20), o acompanhamento de investigação em torno de suposto crime de racismo praticado contra a ialorixá Cristiane da Silva, no último dia 25 de setembro, no Conjunto Benedito Bentes II, durante evento alusivo a Cosme e Damião.

A jornalista Valdice Gomes, presidente do Conepir, reuniu-se, nesta tarde, com o promotor Flávio Gomes, na sede das promotorias de Justiça, no Barro Duro. Em resposta, Gomes garantiu que vai apurar a denúncia.

“Irei requisitar a abertura de inquérito policial junto ao 8º Distrito Policial e farei uma visita ao Pai Janerson, visto que a sua casa de axé, frequentada pela iyalorixá, já foi alvo de atentado, razão pela qual o pai de santo encontra-se muito abalado”, disse Flávio Gomes.

Iyalorixá teria sido vítima de injúria racial por casal de evangélicos FOTO: PEDRO FERRO
Iyalorixá teria sido vítima de injúria racial por casal de evangélicos
FOTO: PEDRO FERRO

 

Segundo Valdice Gomes, o Conepir também já foi recebido pela secretária-adjunta da Segurança Pública, delegada Luci Mônica, para discutir o assunto. “Nós cobramos seriedade nas investigações, visto que há um descaso em se tratando de crimes de intolerância religiosa e racial. O mesmo ocorre a casos em que jovens são mortos na periferia, tendo em vista que a maioria são negros e pobres”, analisou.

De acordo com Candice Melo, que participou do encontro representando religião de matriz africana, antes de os criminosos efetuarem disparos contra a casa de axé, o pai de santo Janerson foi ameaçado por evangélicos. “Ele estava à porta da casa com o companheiro, quando um grupo de evangélicos tentou convertê-los. Janerson respondeu com um sinal negativo, com os evangélicos afirmando ‘amém’, enquanto o pai de santo, ‘axé’. Posteriormente, eles afirmaram se sentir ofendidos com a negativa, prometendo vingar o destrato”, relatou.

Entenda o caso

A Iyalorixá Cristiane da Silva foi agredida verbalmente pelo mesmo casal de evangélicos, que também tentaram convertê-la, no Benedito Bentos II, no último dia 25 de setembro. Instantes depois, quando ela se aproximava da referida casa de axé, o local foi alvo de ação criminosa, com um homem não identificado efetuando disparos de espingarda calibre 12 em direção ao local, que está fechado desde o ocorrido.

Segundo Cristiane, havia várias pessoas – entre elas, crianças – no momento em que os tiros foram disparados, já que, na oportunidade, celebrado o dia dos santos Cosme e Damião.

 

 

Extraído do portal Gazeta web / Maceió – AL
http://gazetaweb.globo.com/portal/noticia.php?c=20767

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *