Breaking News

Diretor transforma Arquivo Nacional em ‘igreja evangélica’

Auditório principal do prédio, no Rio de Janeiro, foi cedido para pregações religiosas

© Reprodução / Facebook / Arquivo Nacional
© Reprodução / Facebook / Arquivo Nacional

BRASIL PREGAÇÃO NO RJHÁ 7 HORASPOR NOTÍCIAS AO MINUTO

O prédio do Arquivo Nacional, que fica na região central do Rio de Janeiro, virou uma espécie de “igreja evangélica”. É que, segundo uma reportagem da Veja, o diretor-geral da instituição, José Ricardo Marques, cedeu o imponente edifício para reuniões religiosas.

Na quinta-feira (14), o gestor do Arquivo pegou o microfone durante pregação no auditório principal do prédio, e discursou. “Tenham fé. Eu e minha esposa oramos, cremos e dedicamos a nossa vida ao Senhor”, disse, pedindo para que os presentes dessem um abraço no “irmão ao lado”.

Ainda segundo a reportagem, José Ricardo Marques foi nomeado ao cargo no início do ano. Ele ficou afastado do Arquivo por um período, mas voltou há uma semana, acreditando que o retorno faz parte dos “dos planos do Senhor”.

No “culto”, a esposa do diretor-geral também falou. “Se podemos estar aqui, se podemos glorificar em nome do Senhor é porque um dia ele se dispôs a morrer por nós, abriu mão de si mesmo para hoje termos acesso ao Pai”.

Participam do encontro funcionários evangélicos que antes pregavam em um canto do estacionamento. O grupo lutava por um espaço para pregação dentro do Arquivo Nacional, que há 175 anos guarda um dos mais valiosos conjuntos de textos e imagens sobre história do Brasil.

De acordo com o site da Veja, José Ricardo Marques pertence à igreja evangélica. Os funcionários que não participam dos cultos são contra os encontros.

 

Extraído do portal de notícias Notícias ao Minuto
https://www.noticiasaominuto.com.br/brasil/253181/diretor-transforma-arquivo-nacional-em-igreja-evangelica

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *