Breaking News

Equede Sinha fala em livro sobre seu importante papel na Casa Branca

Além do texto da Equede Sinha, o livro tem um farto material gráfico, incluindo fotos inéditas e de acervo

Roberto Midlej (roberto.midlej@redebahia.com.br)

07/03/2016 14:12:00Atualizado em 07/03/2016 16:11:34

 

Gersonice Azevedo Brandão nasceu dentro do Terreiro Casa Branca, em 16 de dezembro de 1945. Filha daquele lugar, Sinha, como é hoje conhecida, passou a ser também uma espécie de grande mãe por ali.

“Eu sou uma equede. E uma equede é uma mãe. Então, não me vejo em outra função dentro do axé. Porque eu sou mãe. E não sei mais separar a mãe genética da mãe religiosa”, diz Mãe Sinha, no livro Equede – A Mãe de Todos (Barabô/174 págs./R$ 100), que será lançado amanhã, às 19h, no Terreiro Casa Branca, na Avenida Vasco da Gama.

Mãe Sinha é equede no Terreiro Casa Branca, primeira casa de candomblé aberta em Salvador, tombada pelo Iphan em 1986 (Foto: Dadá Jaques/Divulgação)
Mãe Sinha é equede no Terreiro Casa Branca, primeira casa de candomblé
aberta em Salvador, tombada pelo Iphan em 1986 (Foto: Dadá Jaques/Divulgação)

 

A equede é uma das principais administradoras de um terreiro. Mãe Sinha diz que seu dia a dia, no axé, é como a de uma mãe, que, numa casa, é a primeira a acordar e última a dormir. Nos dias de festa, então, o trabalho é mais intenso: “Sou responsável por deixar tudo preparado. Então, vou à feira, faço compras, ajudo a arrumar a casa. Preparamos tudo para o líder”.

É Mãe Sinha que está sempre ao lado de Mãe Tatá de Oxum, ialorixá da Casa Branca, especialmente antes dela incorporar uma divindade. A equede tem, entre outras funções, o papel de preparar a roupa de Mãe Tatá para os rituais. Bem como a responsabilidade de zelar por ela durante o transe.

Memória
Sinha diz que decidiu escrever o livro para preservar a sua memória e a do terreiro, onde passou toda a vida: “A gente vai esquecendo umas coisas… e tem muita coisa que a gente não quer esquecer, né? Muita coisa que quero deixar para os mais novos e para os meus netos”, justifica.

Para concluir o livro, ela contou com a pesquisa do jornalista Alexandre Lyrio e do designer e fotógrafo Dadá Jaques, ambos da equipe do CORREIO.

“Embora seja uma autobiografia, há um mundo inteiro por trás da história dela. Não é só a vida de uma pessoa, mas de muitas pessoas”, diz Dadá. O designer aponta ainda outra virtude do livro: “Não é uma visão de alguém de fora do candomblé. Não é uma visão de um pesquisador ou de um antropólogo, mas de alguém que vem do terreiro”.

Já Lyrio, que também é editor da publicação, diz que se preocupou em preservar a linguagem original da biografada: “É um texto falado dela e que vai interessar mesmo àqueles que não são iniciados no candomblé. O texto dela é simples para quem é da religião, mas muito rico. E meu papel foi deixá-lo acessível a todos os leitores”.

RTEmagicC_Equede1.jpg (1)

Fotos
Além do texto da Equede Sinha, o livro tem um farto material gráfico, com mais de 200 fotos, incluindo algumas inéditas (de Dadá Jaques) e outras de acervos como o da Fundação Pierre Verger e do próprio terreiro.

As imagens mostram os diversos ambientes da Casa Branca, incluindo a cozinha do axé, definida no livro como “o melhor lugar da casa”.

“Não se faz nada no candomblé sem comida e bebida. A cozinha é o coração da casa de todo axé. É ali que, além de fazer as comidas dos orixás, se faz também a comida dos ‘pecadores’, como costumo brincar”, diz Sinha.

Há também registros da vida pessoal da religiosa, como uma foto ainda bebê, no colo da mãe, Maria da Conceição. Vovó Conceição, como se tornou conhecida, chegou à Casa Branca aos 27 anos, oito antes do nascimento de Sinha.

“Minha mãe entrou para o candomblé por causa de problemas de saúde. Ela não se tratou pela medicina tradicional. Alguém sugeriu que ela precisava se cuidar espiritualmente”, lembra Sinha. Conceição curou-se e, finalmente, pôde ter filhos. Acabou passando os 54 anos seguintes frequentando a Casa Branca.

E Sinha seguiu o destino da mãe: está no terreiro há 70 anos. “Sou filha de Xangô e de Iansã. Recebi meu icomojadê aos 7 anos de idade”, diz a equede. Icomojadê é o primeiro ritual a que se é submetido no axé.

Sincretismo
No livro, Mãe Sinha dá demonstrações que o candomblé pode conviver harmonicamente com outras religiões, como escreve no texto Quando o Amém Vira Axé: “A tradicional missa de Oxóssi acontece na Igreja do Rosário dos Pretos. Missa do povo de santo em igreja católica só podia ser diferente, né? E é. É quando o amém vira axé”.

A mesma Igreja do Rosário dos Pretos é cenário de outras demonstrações do sincretismo. Ali, acontecem missas promovidas pelo povo santo dedicadas à santos católicos: São Jorge, São Miguel, São Pedro e São Jerônimo.

Embora reconheça que o candomblé ainda seja alvo de preconceito e intolerância, Mãe Sinha diz que hoje a sociedade aceita sua religião com menos resistência: “Atualmente, temos mais consciência de nossa identidade. Sabemos que temos os mesmos direitos de todos os outros”.

Ela lembra que há poucas décadas crianças não podiam frequentar os terreiros: “Achavam que o candomblé era prejudicial aos meninos. Para funcionar, um terreiro precisava de autorização policial. Por todas essas dificuldades, o terreiro tornou-se um espaço de resistência”, diz.

RTEmagicC_Equede2.jpg

 

Extraído do site do Jornal Correio 24h / Salvador – BA
http://www.correio24horas.com.br/single-entretenimento/noticia/equede-sinha-fala-em-livro-sobre-seu-importante-papel-na-casa-branca/?cHash=be1938750de51c7a7b2de9a8c04470ec

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *