Breaking News

Espaço Furnas Cultural apresenta ÁFRICAS – FRAGMENTOS E PROXIMIDADES Exposição de Luiz Paulo Lima

A EXPOSIÇÃO ÁFRICAS – FRAGMENTOS E PROXIMIDADES, acontece de ​5 de dezembro de 2015 a 10 de janeiro de 2016, com entrada franca

 

O fotógrafo LUIZ PAULO LIMA, traz 24 fotografias incríveis em preto e branco e coloridas, com 1,10 por 0.80. A mostra contará ainda com exibição de um vídeo que conceitua a exposição e onde o autor mostrará mais de 200 fotografias. Falará sobre suas pesquisas e o que o levou a realizar 6 (seis) viagens à África.

O vídeo será exibido em “looping”, proporcionando um detalhamento sobre o trabalho e informações sobre o tema da exposição.

Em tempo, o vídeo aborda a LEI 10.639, que torna o ensino da cultura africana obrigatório na grade escolar e da influência  dessa cultura na nossa sociedade.

Com curadoria de Haroldo Costa, embaixador cultural do Rio de Janeiro, que faz um relato elucidativo. “A grande diferença da exposição – ÁFRICAS FRAGMENTOS E PROXIMIDADES é a percepção compreensiva de Luiz Paulo Lima que se traduz em angulações espontâneas e identidade racial. É uma coleção de olhares que se guia pela intuição e pela herança, expondo  o que cultiva o orgulho e, ao mesmo tempo: a decepção, a esperança e o espanto da vida.”

Com patrocínio da Eletrobrás Furnas, Coordenação geral de Lene DeVictor e realização da DEVICTOR Produções Culturais, a exposição traz um rico material documentado com maestria pelo olhar crítico de Luiz Paulo Lima.

Luiz Paulo Lima – é jornalista, fotógrafo e documentarista, trabalhou nos principais jornais brasileiros, recebeu vários prêmios importantes, como, Wladimir Herzog dos Direitos Humanos, Grande Prêmio Libero Badaró e Orilaxé-Marthin Luter King pelo Afroreaggae. Viajou pelo Continente Africano por várias vezes, onde desenvolveu projetos.

Na África do Sul, em três oportunidades, fotografou o fim do regime do Apartheid, e em dois outros momentos durante as mudanças para uma democracia multirracial. Realizou exposições fotográficas no Brasil e EUA, fez palestras em Universidades brasileiras e nos EUA. Foi curador de Exposições de fotógrafos renomados e Mostras de Cinema Negro. Recentemente dirigiu seu primeiro filme autoral: “Outros Carnavais”, sobre a origem do samba paulista.

“Um provérbio africano, ressalta: se quer saber o final, preste atenção no começo…” – Durante os anos 80 a geração que faço parte, colocou na pauta das reflexões geopolíticas o tema das africanidades. Se apropriou como todo o ocidente dos “estudos africanos”, mantendo essa secular tradição de memória e história sob o controle intelectual”, sentencia Luiz Paulo Lima.

“A crítica e autocritica hoje se faz necessária, quando após ter visitado 7 países no continente, pude “in loco” verificar os contrastes violentos e midiáticos resultado de um século  de  colonialismo e  processos de descolonização contrastando com a força da oralidade, nas relações com a  terra e tradição, onde o papel dos anciões nas múltiplas culturas são estruturantes, embasa a filosofia do ser e estar africano como forma civilizatória de resistir aos engôdos impostos pela história”, ainda ressalta.

Suas lentes conseguem captar a estrutura política, ética, estética, filosófica, religiosa de cada lugar, esta intrínseca na formação de cada nação, de cada povo e se sustenta na tradição oral. As Áfricas que retrata são muito mais do que as nações Fon, Jeje, Banto ou Yorubá possam ser visibilizadas nas relações e presenças na vida com outros povos no mundo.

A filosofia africana auxilia o homem e a mulher a se relacionarem com o real, e o real é próprio de cada lugar. Por conta, cada lugar tem seus próprios valores, suas raízes que representam o passado, que influencia o presente e o futuro, sem nunca perder de vista suas origens.

Luiz Paulo Lima chama atenção para: As Áfricas pelos africanos. Está em curso movimentos pujantes de transformações, em um continente que cresce a um ritmo de 6% ao ano, quase todos os países estão dotados de sistemas democráticos, fortalecimento das Comissões econômicas e da União Africana, fazendo reuniões sem palestras, apenas intervenções curtas de tomada de posições. Metas “África First”, tomada de consciência dos patrimônios naturais, petróleo e água, e da necessidade de repensar o que é importante para dentro e fora do continente.

Foi com essa visão política de entendimento que motivou o autor a idas ao continente durante o período de sete anos, buscar através da linguagem fotográfica, impressões, registros e vivências únicas, onde o africano é o centro dessas motivações. Da África do Sul ao Benin, momentos contraditórios, mas visível de consciências, da sua importância seus direitos e os pés fincados nas raízes históricas onde cada qual faz de seu povo nas Áfricas, um continente do futuro. E agora, sua percepção e sensibilidade estão ao nosso alcance com essas belas imagens.

Espaço Furnas Cultural

Rua Real Grandeza, 219 – Botafogo

Visitação: de 5 (sábado) de dezembro de 2015, até 10 (terça) de janeiro de 2016.

Terça a Sexta: das 14h às 18 h.
Sábado, Domingo e Feriado: das 14h às 19h.
Informações: Tel: (21) 2554-5782
www.facebook.com/exposicaoafricasfurnas

Entrada Franca

Preserve o meio ambiente

Cópia de Templo Piton Tratada 17 Cópia de Ketu Tratada 8 Cópia de Piton Tratada 19 Cópia de Nedbele tratada1

Rozangela Silva
Sócia Diretora
Bi & Ro Assessoria de Comunicação

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *