Breaking News

Estilo: mulheres assumem seus cabelos afro

17-05-2015 |  13:05
Foto: Tais (1)
Foto: Tais (1)
Por: Da Redação Há anos o cabelo liso é referência para se ter um visual bonito, estiloso e atual. Mulheres que não nasceram com esse tipo de cabelo, mudavam drasticamente e investiam muito dinheiro para deixar os fios lisinhos. Mas, de um tempo pra cá, essa realidade vem mudando. A mulher moderna percebeu que o estilo próprio é a característica principal para ser aceita e não mais o fato de seguir um padrão. As donas de cabelos afros, hoje, assumem os cachos com orgulho e quanto mais volumosos, melhor. As famosas também apostam no natural e chamam a atenção pela beleza diferenciada, como é o caso das atrizes Thais Araújo e Sheron Menezzes, da Rede Globo. Para quem decide abandonar a ditadura das químicas alisadoras e chapinha, é necessário saber que o cabelo crespo é o tipo mais delicado e exige cuidados especiais. Para ter o estilo autêntico que tanto se espera, não basta somente assumir o cabelo crespo e sair desfilando por aí; ele é por natureza própria mais opaco e ressecado, já que dificilmente a oleosidade natural do cabelo chega às pontas. Além disso, tem o excesso de volume e frizz que incomodam tanto as ‘cacheadas’. Muitas mulheres dedicam pelo menos uma hora do seu dia para manter os cachinhos no lugar. Apesar da rotina cansativa, esses cuidados trazem resultados maravilhosos e fazem os fios ficarem saudáveis, com caimento bonito, brilhosos e o que tanto se espera mostrar: personalidade forte, provando que ‘cabelo ruim’ não existe. A estudante Ana Guimarães, diferente de muitas, nunca pensou em alisar o cabelo. “Eu amo ele assim! Quando era pequena, minha mãe cuidava dos meus cachos e quando cresci passei a cuidar também. Nunca tentei nenhuma forma de alisamento e também nunca passou pela minha cabeça alisar. Aliás, nunca usei nem chapinha. Meu cabelo me torna diferente das demais e é isso o que me motiva a continuar com ele assim”, conta, orgulhosa. Ana dá dicas de como mantem os fios do jeito que gosta: “Ele, por natureza, já é um cabelo bem volumoso; é o estilo dele. Então lavo duas vezes na semana. Uso um shampoo qualquer e em seguida passo um shampoo profissional. Depois, substituo o condicionador por máscara de hidratação. Prefiro shampoos, cremes e máscaras sem sal e de ervas, de preferência camomila. E um diferencial é que não uso pente, uso os dedos para penteá-lo”. Rafaela Galvão, estudante, também tem orgulho de esbanjar cachos. “Sempre tive cabelo cacheado e sempre gostei dele assim. Nunca tentei alisar por achar que ficaria artificial, não combinaria comigo”, comenta. “Dá mais trabalho pra lavar do que um cabelo liso, com certeza. Ás vezes durmo com ele preso e acho que fica melhor para deixar do jeito que eu gosto. Além disso, hidrato uma vez por semana porque cabelos cacheados tendem a ser mais secos e precisam de uma hidratação maior”, acrescenta. A professora Tábata Latanza de Paula diz que o visual ‘black’ é sua marca registrada. “Na época da adolescência, para me sentir aceita pelos demais, fiz relaxamento no cabelo e usei ele assim por três anos. Me arrependi e quis voltar ao natural, mas foi um processo bem lento. Precisei fazer um corte radical pra cortar as pontas alisadas e esperar crescer”, destaca. Hoje ela não abre mão de manter o cabelo ao natural. A professora também tem seus segredinhos especiais pra manter os fios bonitos. “Após lavar o cabelo, divido ele em quatro partes. Depois, separo pequenas mechas e faço um processo chamado ‘fitagem’ que funciona assim: em cada mecha, pressiono o cabelo com os dedos e faço movimentos repetitivos de cima para baixo, bem rápido, como se fosse aquele processo de enrolar fitas de presente. Isso faz o cabelo aderir melhor o creme e deixa os cachos bem definidos”, explica. “Também tenho um truque que se chama ‘day after’, que é quando acordo com o cabelo armado. Tenho um borrifador com três colheres de sopa de creme, meia tampa de bepantol líquido, uma xícara e meia de água e espirro no cabelo pra voltar ao visual de quando lavei”, revela. Os produtos mais adequados para os cabelos afros são os hidratantes, de preferência os que contenham manteiga de karité ou de abacate, que auxiliam no processo de umidificação dos fios – já que o cabelo crespo perde água muito facilmente, o que resulta no visual ressecado. O cabeleireiro do salão Afro Brasil, Beto dos Santos, explica que o grande segredo para cuidar do cabelo crespo é a escolha certa dos produtos. “É preciso ter cuidado com o falso marketing e os comerciais de novela. No Brasil, cada mulher tem um tipo especifico de produto indicado a ela, devido à grande miscigenação do nosso país. Na Alemanha, por exemplo, o mesmo produto funciona para todas, porque o cabelo liso é geral. Mas no Brasil não. Para os cabelos crespos é indicado produtos que contenham castanha, que trabalham a oleosidade natural do cabelo”, orienta. No processo de secagem, segundo ele, é indicado usar toalhas de microfibras, pois elas impedem o aparecimento do frizz. O profissional explica também que é preciso ter cuidado com os secadores. “Somente estão permitidos se usados com difusor, para não agredir o cabelo crespo, que já é mais sensível que os demais naturalmente. Apesar de crespos, são mais finos, e portanto, quebram com mais facilidade”, destaca. Outro ponto importante, de acordo com ele, é tomar cuidado com as colorações. “Elas são as inimigas do cabelo crespo e ressecam extremamente os fios”, ressalta. São diversas as opções de cortes para valorizar o cabelo afro, com diferentes comprimentos. No entanto, o cuidado principal é não cortar o fio reto, pois todo o volume se concentra nas pontas do cabelo. Cortes repicados ao extremo também devem ser evitados se a intenção não for valorizar o volume, e nesse caso, a indicação é o corte repicado. Basta escolher o corte que valoriza os fios e o formato do rosto. Com todos esses cuidados e truques, o cabelo afro, além de mostrar a personalidade e a beleza diferenciada da mulher, retrata uma democracia de beleza. “O mundo é grande demais para se ter só um tipo de cabelo. O cabelo afro é um ato político. Faz com que a mulher se posicione perante a sociedade e diga claramente ‘eu vou ser eu mesma!’”, conclui Tábata. Sharon-22-267x400    Tábata-51-300x400Ana-268x400     Extraído do Portal Página Popular / Hortolândia – SP http://www.paginapopular.com.br/site/estilo-mulheres-assumem-seus-cabelos-afro/

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *