Breaking News

Exposição marca Mês da Consciência Negra na Uneal

23/10/2015 08:22

 

Agência Alagoas

 

download
Exposição consta de painéis com textos, arquivos, fotos, história de vida

A partir do dia três de novembro, a Biblioteca Central do Campus I, da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), em Arapiraca, receberá a exposição itinerante em homenagem à historiadora, filósofa, professora e escritora brasileira, Lélia Gonzalez. O evento intitulado “Feminismo negro palco da história”, seguirá até o fim do mês, como parte das comemorações do Mês da Consciência Negra.

A exposição chega à Uneal por meio da iniciativa do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab), coordenado pelo professor Clébio Correia de Araújo. Ela consta de painéis com textos, arquivos históricos, fotos, história de vida, entre outras diversas peças que marcaram a trajetória política e intelectual da feminista negra Lélia Gonzalez, pioneira nas críticas brasileiras ao feminismo hegemônico.

Ainda na noite de abertura da exposição, acontecerá, a partir das 19 horas, também na Biblioteca Central do Campus I, uma palestra com a professora Angela Brito, do curso de História da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Logo na sequência, a cantora Nati Barros, fará um show na Tenda Cultural Professor Zezito Guedes.

Segundo o coordenador do Neab, existe a possibilidade de levar a exposição para outros campi da Uneal. “Trata-se de uma iniciativa importante para nós do movimento negro. Com seu trabalho, Lélia Gonzalez chamou atenção para a temática do preconceito contra a mulher negra em nossa sociedade, algo combatido até hoje, graças também às ações dela”, frisou.

Ícone brasileiro

Lélia Gonzalez é um ícone brasileiro quando se trata da luta e defesa dos direitos dos negros e principalmente das mulheres negras. Filha de um ferroviário negro e de uma empregada doméstica índia, fez mestrado em Comunicação Social e o doutorado em Antropologia Política.

Após a conclusão do seu doutorado, a estudiosa começou a se dedicar a pesquisas sobre relações de gênero e etnia. Foi professora de Cultura Brasileira na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), onde chefiou o departamento de Sociologia e Política. Além disso, ajudou a fundar instituições como o Movimento Negro Unificado (MNU), o Instituto de Pesquisas das Culturas Negras (IPCN), o Coletivo de Mulheres Negras N’Zinga e o Olodum.

Sua militância em defesa da mulher negra levou-a ao Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), no qual atuou na década de 1980. Seus escritos, simultaneamente permeados pelos cenários da ditadura política e da emergência dos movimentos sociais, são reveladores das múltiplas inserções e identificam sua constante preocupação em articular as lutas mais amplas da sociedade com a demanda específica dos negros e, em especial das mulheres negras.

A exposição “Feminismo Negro Palco da História”, em homenagem à estudiosa Lélia Gonzalez, seguirá até o final do mês de novembro.

por Agência Alagoas

 

Extraído do site Aqui Acontece / Dom Constantino Penedo – AL
http://aquiacontece.com.br/noticia/2015/10/23/exposicao-marca-mes-da-consciencia-negra-na-uneal

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *