Breaking News

Familiares pedem intervenção do MP para ter acesso à Mãe Stella de Oxosse

Jairo Costa Junior, com Luan Santos (jairo.junior@redebahia.com.br)

21/06/2017 06:00:00Atualizado em 21/06/2017 12:56:02

(Foto: Arquivo CORREIO)

Familiares de Mãe Stella de Oxóssi pediram a intervenção do Ministério Público do Estado (MP) para ter acesso à ialorixá, considerada a mais influente e respeitada líder religiosa do candomblé em atividade no país. Em denúncia ao MP, uma sobrinha de Mãe Stella acusou pessoas do círculo íntimo da ialorixá de impedirem que ela tenha contato com parentes e filhos de santo do terreiro Ilê Axé Opó Afonjá, em São Gonçalo do Retiro. O relato feito aos promotores que atuam na área de defesa dos idosos incluiu ainda suspeitas de maus-tratos físicos e psicológicos contra Mãe Stella,  92 anos.  

Regime fechado
“É sempre a alegação de que ela está descansando, e as pessoas não conseguem vê-la. Tudo bem que (Mãe Stella) é idosa, de fato precisa descansar para preservar a saúde, mas em determinado momento tem que ver as pessoas, os familiares. Desde domingo não conseguimos contato com ela”, disse a sobrinha da ialorixá, que confirmou o pedido de intervenção, mas só aceitou conversar com a Satélite sob condição de anonimato. Filhos do Ilê Axé Opó Afonjá ouvidos pela coluna reafirmaram o teor da denúncia apresentada aos promotores e revelaram preocupação com o isolamento de Mãe Stella . O MP, por sua vez, alegou desconhecer o caso.

 

Extraído do site do  jornal Correio 24 hs / Salvador – BA
http://www.correio24horas.com.br/detalhe/satelite/noticia/satelite-familiares-pedem-intervencao-do-mp-para-ter-acesso-a-de-mae-stella-de-oxossi/?cHash=8bfebca37f7d955c756d1d247275c202

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *