Breaking News

Festa do Bonfim recebe título de Patrimônio Imaterial em Salvador

Cerimônia foi realizada nesta quarta e contou com presença de ministra. Presidente do Iphan, governador da BA e prefeito também participaram. Ruan MeloDo G1 BA  
ft1
Entrega de título ocorreu na Igreja de Nosso Senhor
do Bonfim, em Salvador (Foto: Ruan Melo/ G1)
  O título de Patrimônio Imaterial do Brasil à Festa do Senhor do Bonfim foi entregue na manhã desta quarta-feira (15) pela ministra da Cultura, Marta Suplicy, e pela presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado. A cerimônia foi realizada na Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, em Salvador, e contou com a presença de autoridades e fiéis. O título de patrimônio imaterial foi recebido pelo governador da Bahia, Jaques Wagner, o prefeito de Salvador, ACM Neto, o arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, o superintendente do Iphan na Bahia, Carlos Amorim, e a juiz da secular Irmandade do Nosso Senhor do Bonfim e Nossa Senhora da Guia, Arthur Napoleão. Agora como bem protegido, a festa passa a ser periodicamente acompanhada pelos técnicos do Iphan e terão os seus elementos constitutivos monitorados. Antes da cerimônia, a ministra Marta Suplicy ressaltou a importância do reconhecimento não somente para a Bahia, mas para todo Brasil. "Hoje é um dia muito importante para a Bahia e para todos nós brasileiros porque a festa do Bonfim é um símbolo para todo Brasil e para o mundo hoje. É uma enorme felicidade estar aqui hoje e poder estar assinando a festa do Bonfim como patrimônio imaterial", destacou.
Presidente do Iphan, Jurema Machado, prefeito ACM Neto, ministra Marta Suplicy e governador Jaques Wagner estiveram presentes (Foto: Ruan Melo/ G1)
Presidente do Iphan, Jurema Machado, prefeito
ACM Neto, ministra Marta Suplicy e governador
Jaques Wagner estiveram presentes
(Foto: Ruan Melo/ G1)
Além da Festa do Senhor do Bonfim, o ofício das baianas de acarajé, a capoeira e o samba de roda do Recôncavo Baiano também são bens protegidos. O governador Jaques Wagner lembrou dos outros títulos e destacou a importância deles para a preservação da memória do estado.   "Na verdade, a gente está tendo um processo de valorização. É uma festa que é a mais tradicional como festa profana religiosa na Bahia. Atravessa a Bahia, o Brasil e o mundo. Muitos turistas vêm aqui, de todos os lugares. Eu creio que o patrimônio imaterial consagrado pelo Iphan coloca toda essa fé do povo baiano no lugar merecido. A capoeira também já é reconhecida, as baianas do acarajé. Agora cabe a nós, governo federal, estadual e municipal, valorizar essa tradição do povo baiano, para que a gente possa atrair pessoas de fora do Brasil para conhecer um pouco da nossa história", afirma o governador.   Critério para escolha A ministra Marta Suplicy acredita que a importância histórica da festa foi um dos critérios utilizados para a escolha dela como patrimônio imaterial. "São os critérios que o Iphan utiliza de importância histórica e o Bonfim tem essa importância, pela sua idade, pela manifestação de séculos, pelas lutas que foram vividas e vencidas e por ser um lugar de não discriminação absoluta. É uma espaço de convivência de fé, amor e respeito de uns aos outros. É algo muito bonito. E principalmente é uma manifestação do povo baiano". Jurema Machado, presidente do Iphan, explicou o significado do título de patrimônio imaterial. "Tem esse sentido de continuidade, de transmissão de geração para geração. Ou seja, uma transmissão não formal, não é aquela que está na escola, que é obrigatória, mas se faz pela iniciativa e vitalidade da própria comunidade que a detém. Todas essas características são consideradas. O imaterial, diferente do material, do físico, ele admite essa transformação. Ou seja, ao longo do tempo, a festa teve os seus ajustes de acordo com as modificações do tempo e modo de vida das pessoas. E é justamente essa capacidade de se renovar, de se recriar, de se reapresentar, mas mantendo a essência, que dá essa característica tão excepcional de patrimônio do país", conta.
Missa foi celebrada antes da entrega do título de patrimônio imaterial à Festa do Senhor do Bonfim (Foto: Ruan Melo/ G1)
Missa foi celebrada antes da entrega do título de patrimônio imaterial à Festa do Senhor do Bonfim (Foto: Ruan Melo/ G1)
Fiéis lotaram Igreja de Nosso Senhor do Bonfim (Foto: Ruan Melo/ G1)
Fiéis lotaram Igreja de Nosso Senhor do Bonfim (Foto: Ruan Melo/ G1)
História De acordo com o Iphan, a festa do Bonfim é realizada desde 1745 sem interrupção, unindo o catolicismo com a tradição afro-brasileira. Historiadores apontam que o início dos festejos foi na Idade Média, a partir da devoção ao Senhor Bom Jesus, o Cristo Crucificado. A celebração faz parte do calendário litúrgico e das festas de largo da capital baiana, que se mesclam com atividades profanas e culturais. Ela começa um dia após o Santos Reis e se encerra no segundo domingo depois da Epifania, que é o Dia do Senhor do Bonfim. O final do cortejo, iniciado na Igreja da Conceição da Praia, no Comércio, ocorre na própria Igreja do Senhor do Bonfim, cenário em que é realizada a lavagem das escadarias, na Colina Sagrada. A basílica foi erguida no século 18 e é tombado pelo Iphan desde 1938, registrado no Livro de Belas Artes. 15/01/2014 12h43 - Atualizado em 15/01/2014 14h28
Lavagem do Bonfim leva multidão de fiéis às ruas (Foto: Ingrid Maria Machado/G1 BA)
Lavagem do Bonfim leva multidão de fiéis às ruas (Foto: Ingrid Maria Machado/G1 BA)
Extraído do Portal de Notícias G1-BA: http://g1.globo.com/bahia/noticia/2014/01/festa-do-bonfim-recebe-titulo-de-patrimonio-imaterial-em-salvador.html

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *