Breaking News

Fiéis comemoram dia de São Roque

Com o tema ?São Roque fiel servidor de Deus e da humanidade?, foi realizada ontem a festa dedicada ao santo na Igreja de São Lázaro, localizada na Federação

por

Nelson Rocha

Publicada em 17/08/2015 08:14:43

Foto: Reginaldo Ipê
Foto: Reginaldo Ipê

Com o tema “São Roque fiel servidor de Deus e da humanidade”, foi realizada ontem a festa dedicada ao santo na Igreja de São Lázaro, localizada na Federação. Centenas de fiéis marcaram presença na Alvorada com fogos de artifícios, ocorrida ao nascer do dia, para em seguida participarem da cerimônia Terço dos Homens e das missas celebradas a partir das 7 horas. A Missa Festiva, realizada às 15h, foi presidida por Dom Murilo Krieger, Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil e lotou a pequena igreja santuário de São Lázaro, situado na praça do mesmo nome. Em torno do templo, católicos e adeptos do Candomblé em nome da fé, tomaram o tradicional banho de pipoca e muitos também aproveitaram o lado profano do evento religioso para consumirem cerveja nas barracas armadas de forma improvisada na área.

“É uma data muito especial pra gente. Eu enfartei e estou aqui para louvar São Roque!”, disse quando chegava para a Missa das 15 horas  Noélia Bispo dos Santos, 75, que desde garota participa dos festejos. “A única coisa triste é essa bebedeira!”, comentou em voz baixa e apontando para as barracas cheias de consumidores de loiras geladas. “O ponto lamentável da festa é não haver sanitário público para as pessoas aqui presentes, o que faz com que homens e mulheres sejam obrigados a irem pro mato ou os cantos de rua”, observou José Andrade Silva, 56, vestido de branco, a cor que predominou entre devotos de São Roque, que dentro do sincretismo religioso no Candomblé é reverenciado como Obaluaê, orixá da cura e transformação.

Depois da Missa Festiva das 15 horas, Dom Murilo promoveu a Benção do Santíssimo Sacramento e saiu à frente da procissão que percorreu algumas ruas do bairro, retornando do Campo Santo. Uma multidão acompanhou o último ato oficial da programação festiva do dia de São Roque. “Vim agradecer a ele a minha recuperação, pois estive muito doente. Mas a fé nele me ajudou a ficar boa”, revelou Maria Firmina de Jesus, 62, que dedicou o dia às orações e cânticos em louvor ao homenageado.

O francês Roque de Montpellier (1295 – 1327) é um santo da Igreja Católica Romana reconhecido protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos e cirurgiões. É também considerado por algumas comunidades católicas como protetor do gado contra doenças contagiosas. A sua popularidade, devido à intercessão contra a peste, é louvado por múltiplas comunidades em todo o mundo católico e padroeiro de diversas profissões ligadas à medicina, ao tratamento de animais.

Era filho de um mercador rico, de nome João, que teria funções governativas na cidade, e de sua mulher Libéria. Estava ligada a famílias importantes de Montpellier, sendo herdeiro de considerável fortuna. Diz a lenda que Roque teria nascido com um sinal em forma de cruz avermelhada na pele do peito, o que o predestinaria à santidade. Roque terá ficado órfão de pai e mãe muito jovem, sendo a sua educação confiada a um tio. Terá estudado medicina na sua cidade natal, não concluindo os estudos.

Levando desde muito cedo uma vida ascética e praticando a caridade para com os menos afortunados, ao atingir a maioridade, por volta dos 20 anos, resolveu distribuir todos os seus bens aos pobres, deixando uma pequena parte confiada ao tio, partindo de seguida em peregrinação a Roma.

No decorrer da viagem, ao chegar à cidade de Acquapendente, próxima de Viterbo, encontrou-a assediada pela peste (aparentemente a grande epidemia da Peste Negra de 1348). De imediato ofereceu-se como voluntário na assistência aos doentes, operando as primeiras curas milagrosas, usando apenas um bisturi e o sinal da cruz. De seguida visitou Cesena e outras cidades vizinhas, Mântua, Modena, Parma, e muitas outras cidades e aldeias. Onde surgia um foco de peste, lá estava Roque ajudando e curando os doentes, revelando-se cada vez mais como místico e taumaturgo.

 

 

Extraído do site do Jornal Tribuna da Bahia / Salvador – BA
http://www.tribunadabahia.com.br/2015/08/17/fieis-comemoram-dia-de-sao-roque

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *