Breaking News

Fiéis do candomblé são os que mais sofrem discriminação

A segunda religião mais atingida é a umbanda, segundo dados do Disque 100
11/2016 15h26 – Atualizado em 14/11/2016 15h26
Por: Redator 2
640x274x4-582a0ec3c1714bd1ad9bc0b31386bf3f4dae2fd78136d

 

Por meio do Disque 100, a Secretaria de Direitos Humanos recebeu 300 denúncias de discriminação religiosa em 2016.

Segundo o blog do Lauro Jardim, do O Globo, a maioria das ligações foi realizada por fiéis do candomblé. Ao total, foram 66 denúncias. Em seguida, foram os adeptos da umbanda, com 55 denúncias ao total.

Os registros de ocorrências de intolerância religiosa deste ano já superaram o número de denúncias do ano passado, que foram 252 ao todo.

 

Extraído do site da Rádio Grande FM 92,1FM / Dourados – MS
http://www.grandefm.com.br/noticias/brasil/fieis-do-candomble-sao-os-que-mais-sofrem-discriminacao

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *