Breaking News

Homenagem à Iemanjá leva diversas pessoas a praias de Alagoas

 

08/12/2016 09:52

 

Arquivo – aquiacontece.com.br

 

Pontal do Peba recebeu devotos já nos primeiros raios de sol

Centenas de adeptos das religiões afro-brasileiras se reuniram nesta quinta-feira (8) em praias alagoanas. Tudo isso porque o dia é reservado a Nossa Senhora da Conceição, a Iemanjá.

Por volta das 4 horas da manhã, alguns ônibus saíram de Penedo com destino ao Pontal do Peba, em Piaçabuçu, levando grupos umbandistas e de candomblé, que com muita fé e devoção renderam homenagens a orixá que representa a “Rainha das Águas”.

Já nos primeiros raios de sol da manhã desta terça círculos já se formavam para dar início às festividades no Pontal de Coruripe. Durante a festa, a dança e a música simpatizantes do culto afro foram atraídos a participar.

Para os adeptos da Igreja Católica, o dia é de homenagens a Nossa Senhora da Conceição. Os católicos participam durante toda a semana de missas e hoje realizam procissões em homenagem a santa. Em Penedo, as igrejas realizarão celebrações especiais pela passagem da data.

Iemanjá

O nome Iemanjá significa a mãe dos filhos-peixe. Filha de Olokum, Iemanjá foi casada com Oduduá, com quem teve dez filhos orixás. Por amamentá-los, seus seios ficaram enormes.

Infeliz com o casamento e cansada de morar na cidade de Ifé, um dia ela saiu em rumo ao oeste e conheceu o rei Okerê, por quem se apaixonou. Envergonhada de seus seios, Iemanjá pediu ao novo esposo que nunca a ridicularizasse por isso. Ele concordou. Porém, um dia, embriagou-se e começou a ofender a esposa. Entristecida, Iemanjá fugiu.

Desde menina, ela carregava um pote com uma poção que o pai lhe dera para casos de perigo. Durante a fuga, Iemanjá caiu quebrando o pote e a poção a transformou num rio cujo leito seguia em direção ao mar. Okerê, que não queria perder a esposa, transformou-se numa montanha para barrar o curso das águas. Iemanjá pediu ajuda ao filho Xangô e este, com um raio, partiu a montanha no meio. O rio seguiu para o oceano e, dessa forma, a orixá tornou-se a rainha do mar.

por Redação

 

Extraído do site de notícias Aqui Acontece / Dom Constantino Penedo – AL
http://aquiacontece.com.br/noticia/2016/12/08/homenagem-a-iemanja-leva-diversas-pessoas-a-praias-de-alagoas

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *