Breaking News

Jovem acusa motorista de ônibus de chamá-la de ‘macumbeira’; empresa nega

09/08/16 09:44 Atualizado em09/08/16 09:55

 

Fabiana diz ter sido constrangida ao tentar embarcar no ônibus Foto: Thiago Freitas / Extra Ricardo Rigel
Fabiana diz ter sido constrangida ao tentar embarcar no ônibus Foto: Thiago Freitas / Extra
Ricardo Rigel

 

Uma moradora de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, praticante do Candomblé acusa um motorista da Viação Tanguá de intolerância religiosa. Fabiana Figueiredo de Souza, de 23 anos, alega que foi constrangida pelo profissional que, logo depois de dizer que a linha não ia até o destino desejado pela jovem, teria afirmado que “não carregaria uma macumbeira”. O caso está sendo investigado pela polícia.

— Não consigo entender como uma pessoa pode me julgar só porque estou vestida de branco. Eu vi claramente que a linha do ônibus era 39 (Marambaia – Coroado), mas ele insistia que só ia até Alcântara! Quando desci das escadas, minha irmã escutou o motorista falando que não levaria macumbeira — diz Fabiana, contando que o incidente aconteceu no dia 31, por volta de 12h40m.

Há menos de um mês, a jovem passou por um ritual de iniciação no Candomblé. Agora, ela precisa seguir algumas regras, por um período de 90 dias, como andar vestida de branco e portando fios de conta. O pai de santo Gilmar Hughes, coordenador da Comissão de Matrizes Africanas de São Gonçalo (Comasg), encorajou a sua Iaô (filha de santo) a fazer um registro de ocorrência sobre o caso.

Delegada diz que trata-se de um típico caso de intolerância Foto: Thiago Freitas / Extra
Delegada diz que trata-se de um típico caso de intolerância Foto: Thiago Freitas / Extra

 

Para a delegada titular da Deam de São Gonçalo, Débora Rodrigues, trata-se de um típico caso de intolerância:

— Já enviamos um ofício à empresa para que eles possam encaminhar o funcionário para prestar declarações.

A empresa alega que o motorista apenas informou à passageira que o ônibus tinha outro itinerário, por ser de linha diferente. Entretanto, no depoimento dado à Tanguá e enviado para a reportagem, ele afirma que avisou sobre mudança de rota porque “estava com o horário estourado”.

 

Extraído da versão digital do Jornal Extra / Rio de Janeiro – RJ
http://extra.globo.com/noticias/rio/jovem-acusa-motorista-de-onibus-de-chama-la-de-macumbeira-empresa-nega-19883984.html
Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/jovem-acusa-motorista-de-onibus-de-chama-la-de-macumbeira-empresa-nega-19883984.html#ixzz4Gzb8RvSN

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *