Breaking News

MÃE DE SANTO NA BAIXADA FLUMINENSE RECEBE DOAÇÃO DE IGREJA EVANGÉLICA PARA RECONSTRUCÃO DE BARRACÃO

Quando a solidariedade une religiosos que sofrem com a intolerância religiosa

Um gesto singular mostra a fé rompendo fronteiras: igreja evangélica doará R$ 11.000,00 (onze mil reais) para o barracão de candomblé da mãe de santo Conceição d`Lissá, incendiado há três anos, a ajuda vem em boa hora, será utilizada na reconstrução do espaço.

O diálogo inter-religioso prova que a união ganha força, a ação partiu da congregação evangélica em conversa com a CCIR – Comissão de Combate à intolerância Religiosa, que tem como interlocutor o babalawô Ivanir dos Santos. Há muito tempo, Ivanir denuncia à sociedade sobre a falta de respeito ao sagrado, principalmente, os ataques sofridos pelas religiões de matrizes africanas.

Frente à violência perpetrada por grupos que se anunciam como representantes do evangelho aos terreiros de candomblé e umbanda no Rio de Janeiro, e diante da destruição do terreiro da Iyalorixá Conceição d´Lissá, em Duque de Caxias, em 2014, a então presidente do Conselho de Igrejas Cristãs do Estado do Rio de Janeiro (CONIC-Rio), Pastora Luterana Lusmarina Campos Garcia, teve a ideia de promover a reconstrução do mesmo. Aprovada pela diretoria do CONIC-Rio, uma campanha de reconstrução foi iniciada.

A campanha ficou interrompida por um período, mas uma das igrejas-membro do CONIC-Rio – manteve-se mobilizada: Igreja Cristã de Ipanema. Através da atuação sensibilizadora do Pastor Edson Fernando, foi possível identificar um grupo de pessoas jovens, dentre as quais dois empresários, que retomaram a ideia e decidiram então fazer uma doação para que o compromisso assumido em 2014 pudesse ser cumprido. Eduardo Wanderley e Simone Cadinelli são os maiores doadores. Junto com as contribuições coletadas anteriormente, o terreiro de Conceição d´Lissá poderá iniciar sua reconstrução.

Essa ação contou com a iniciativa da CCIR, que viabilizou o contato e a comunicação entre as pessoas e organizações envolvidas neste processo. Mais do que a reconstrução do espaço físico, a ação reconstrói relações e afirma que é a partir da solidariedade que é possível estabelecer a paz, a comunhão e o amor entre as diferentes religiões.

“Onde uns destroem, outros ajudam, temos que combater todas as ações de ódio, preconceito, racismo e intolerância religiosa, nos unir em prol das diversidades, liberdades, pluralidade e humanidades para que juntos possamos construir, efetivamente, um país das liberdades e diversidades respeitando as alteridades”, atesta Ivanir dos Santos.    

Doné Conceição de Lissá

Entenda o caso – Em 2014 – O segundo andar do barracão – Kwe Ceja Gbe, da mãe Conceição d`Lissá, foi incendiado no bairro Jardim Vale do Sol, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na noite do dia 26 de junho. O caso foi registrado na 62ª Delegacia de Polícia. E não foi o primeiro incêndio e muito menos foi o primeiro caso de violência patrimonial que a casa sofreu. Esse teria sido o sexto atentado contra a casa e sua dirigente, que também foi vítima de uma tentativa de homicídio. Conceição afirma “que há um cunho político, já que sua vida é pautada na defesa e manutenção do Candomblé”.

 

Um café da manhã, na quarta (dia 22) de novembro, às 10h – no Terreiro de Conceição d`Lissá, em Duque de Caxias celebrará essa ação.

Rua G lote 9 – Quadra H – Jardim Vale do Sol – Taquara – Santa Cruz da Serra – Duque de Caxias

Referência: Saída 106 da rodovia Washington Luiz, em Santa Cruz da Serra / pegar a reta da Avenida Automóvel Club – após o Museu de Duque de Caxias e do Cemitério da Taquara / em seguida, no começo do depósito das Casas Bahia tem uma curva fechada para a esquerda / nessa curva, entrar a direita na Rua Inácio Barreto, logo depois entrar a esquerda numa rua de terra, o barracão fica a 50 metros desse cruzamento, à esquerda.

 

Fonte: Agen Afro

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *