Breaking News

Mãe de Santo prevê morte

MÃE DE SANTO DE URUCU-COARI PREVÊ A MORTE DE DILMA E LULA ATÉ JUNHO. Nesta madrugada de segunda feira, mãe Naná, mãe de santo de Urucu, respondeu a consulta feita por um político influente de Brasília sobre o destino de Lula e Dilma.  Após jogar os búzios, Mãe Naná disse que as divindades indicaram que eles foram atingidos pela espada de Xangô, orixá justiceiro que castiga os mentirosos e fraudadores. O impetuoso senhor dos raios e trovões tem a justiça como lema, não tolera a mentira, a desonestidade e a corrupção. Xangô nunca suporta as trapaças pelo poder. Segundo mãe Naná, o sepultamento de Lula e Dilma não passará de junho deste ano, e a causa mortis deles é o politicídio, um mal que acomete muitos que desviam dinheiro público para proveito próprio em detrimento das necessidades do povo. Eles são infectados não só pela picada da jararaca, mas, também, do veneno da ganância do vil metal, a fazer o diabo: mentir sobre propriedade de sítios e apartamentos, roubar crucifixo, enganar o fisco federal, enfim, ludibriar o povo para manterem-se eternamente como sanguessugas ou parasitas de hospedeiros indefesos. Para Xangô, o destino deles é a morte. Em outro arremesso dos búzios, mãe Naná viu uma assembleia de sanguessugas em fila para o abismo do inferno em igual destino de Lula e Dilma, a começar por um ancião de bigodes em chamas. Outro era um parasita de olhos arregalados e nariz sangrando que gritava “não me deixem só!”. No terceiro arremesso dos búzios, mãe Naná viu a legião dos Asípas Michael, Jucael e Rauppuel intercederem junto aos Assembleares para salvação do planalto devastado, mediante oferenda do caldo de mandioca triturada. Em consulta específica do influente político, ela respondeu que um homem de capa preta está ungido por uma legião de espíritos que traz para ele iluminação do que deve ser feito com Lula, Dilma e todos os Assembleares, porque ninguém escapará de sua espada justiceira. Não haverá nem o ouro preto nem o ouro amarelo, ouros preciosos, para comprar consciências. Não poderão usá-los para fazer do preto, branco; do feio, belo; do errado, certo; do baixo, nobre; do velho, jovem; do covarde, valente, porque Xangô arrastou os sacerdotes e os servos para longe do seu altar e enviou uma multidão nunca vista em marcha nas ruas e nas praças em nome dos íntegros. Não haverá mais o escravo que ata e desata articulações clandestinas; não mais nomearão ladrões e conferir-lhes títulos, genuflexões e a aprovação na bancada dos senadores. É isso que fazia a viúva anciã execrável, prostituta vil dos Assembleares acometidos de politicídio. Com as revelações dos 12 cavalheiros delatores, senhor Costa, senhor Barusco, senhor Youssef, senhor Corrêa, senhor Camargo, senhor Pereira, senhor Pace, senhor Delcídio, senhor Mendonça, senhor Pessoa, senhor Pascowitch e senhor Feira, Xangô traçou o enterro da dupla politicídica e desvendará a verdade das folhas mortas em abril. Mãe Naná disse ainda que o Rei de Oió colocará todas as 172 cartas na mesa branca e designará Akinikú chefe dos rituais fúnebres da dupla que submergiu no abraço dos afogados.  Para finalizar a consulta, o influente político de Brasília quis saber quem sucederá Ìyá-kèré no mês de maio. Mãe Naná pediu de antemão uma contribuição pro Lágùnnòn, porque a demanda era forte e o balogum é necessária para na provisão do terreiro. Paga a demanda, mãe Naná arremessou os búzios e revelou que será escolhido um Asípa de vida breve e prevê um arrastão que findará na posse de Basorun. E assim o político influente foi ao Congresso e resumiu para seus pares o que disseram os búzios: um dia apareceu um grande animal que devorava a todos, homens, mulheres e crianças. O povo, revoltado com os crimes, resolveu enfrentar o animal monstruoso. Mas o ser monstruoso rugia e toda a terra tremia. Então, para auxiliá-lo, surgiu Basorun, que não quis soldados para vencer o animal. Ele lançou seu plano e derrubou o animal matando-o depois num só golpe com seu oxé. Vitorioso, Basorun foi eleito pelos homens e mulheres de seu povo, e porque todos ouviram falar de seu feito. Hermano Leitão Advogado e Auditor Extraído do site do Jornal CaieirasPress / Caieiras – SP http://www.caieiraspress.com.br/cultura.php?acao=ver&id=3356

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *