Breaking News

Mãe e filho são presos suspeitos de extorquir mulher que temia ter vídeos íntimos divulgados

 

A dupla foi presa em flagrante com R$ 12 mil. Foto: Átila Alberti
A dupla foi presa em flagrante com R$ 12 mil. Foto: Átila Alberti

Por medo de ter vídeos íntimos divulgados na internet, uma engenheira de 50 anos de Curitiba foi extorquida por cerca de cinco anos por um pai de santo, e perdeu aproximadamente R$ 500 mil. Mesmo depois que ele morreu, segundo a polícia, ela continuou sendo chantageada pela mulher e o filho do homem, de quem foi amante.

Suely Aparecida Barros, 55 anos, e Itamar Barros Junior, 33, mulher e filho do pai de santo, foram presos em flagrante na manhã de quarta-feira (28). Vindos de Londrina, onde moram, eles estavam na Rodoferroviária de Curitiba e tinham acabado de receber R$ 12 mil da vítima.

Há alguns anos, a vítima procurou o terreiro em Londrina para fazer um trabalho. A engenheira se envolveu com o pai de santo, que teria feito vídeos íntimos dela e depois os utilizado para extorsão. Em maio deste ano, o homem morreu de infarto, mas mesmo assim a vítima não teve sossego.

De acordo com o delegado Gil Tesserolli, do 1º Distrito Policial, as investigações sobre o crime começaram há cerca de um mês, quando a vítima procurou a delegacia. Com os detidos, foi apreendido um Ford Fusion, em nome da vítima e R$ 145 mil em cheques feitos por ela.

“Essas prisões encerram um martírio da vítima, que vinha sofrendo há pelo menos cinco anos. Se a pessoa não enfrenta essa situação e resolve, acaba se tornando prisioneira”, destacou o delegado.

 

Extraído do portal de notícias Paraná on line / Curitiba – PR
http://www.parana-online.com.br/editoria/policia/news/914736/?noticia=MAE+E+FILHO+SAO+PRESOS+SUSPEITOS+DE+EXTORQUIR+MULHER+QUE+TEMIA+TER+VIDEOS+INTIMOS+DIVULGADOS

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *