Breaking News

Mangueira homenageia Maria Bethânia, a menina dos olhos de Oyá

O samba enredo da escola busca retratar a imensidão da cultura brasileira

02/02/2016 11:22, atualizada às 02/02/2016 12:01
Foto: EBC
Foto: EBC
“Quem me chamou… Mangueira Chegou a hora, não dá mais pra segurar Quem me chamou… Chamou pra sambar Não mexe comigo, eu sou a menina de Oyá Não mexe comigo, eu sou a menina de Oyá” Os versos são do samba-enredo da Mangueira para o desfile deste ano na Marquês de Sapucaí, que vai encerrar o Grupo Especial em 2016. A menina de Oyá é Maria Bethânia, que recebeu com alegria a homenagem. Por achar tão grande e tentar ficar mais tranquila, preferiu considerar que a homenageada não será ela, mas sim, Oyá – outro nome dado a Iansã, orixá da cantora. O enredo Maria Bethânia: A Menina dos Olhos de Oyá foi proposto pelo carnavalesco Leandro Vieira. “Para mim, o enredo é um prazer. Alimentei por um tempo o desejo de ter este enredo sobre a Bethânia. Mais do que contar a trajetória musical e artística, queria fazer um enredo que dialogasse com a cultura brasileira e acho que a Bethânia representa muito bem este diálogo.” Para Leandro, o universo que representa a cantora está muito bem inserido em uma cultura “pertinente e fundamental com o Brasil autêntico”, que não segue modelos internacionalizados. “É uma preocupação do trabalho dela e do meu também. É a personagem perfeita para levantar esta bandeira dentro do carnaval.” Este ano é a estreia dele em uma escola do Grupo Especial e, ano passado, pela primeira vez foi carnavalesco de uma escola de samba, a Caprichosos de Pilares, escola da zona norte, na Série A, antigo grupo de acesso. “Eu venho do grupo de acesso e ele vive em crise permanente (com falta de recursos). Não tenho nada do que reclamar. Para mim, está um luxo.” Questão financeira Segundo Leandro, a escola não escondeu, em momento algum, a realidade que atravessava. Na avaliação dele, além da crise financeira, que é mundial e este ano ficou mais aguda no Brasil, existem os problemas econômicos da Mangueira. A crise financeira “dificulta e inviabiliza boa parte de alguns projetos de carnaval”, mas quando começou a pensar no projeto, imaginou algo mais original do que luxuoso. “Para pensar um projeto original, nem sempre o dinheiro é determinante. O carnaval é muito mais original do que luxuoso, embora pareça luxuosíssimo.” Os ensaios feitos nos meses que antecedem o carnaval, na quadra da escola no Morro da Mangueira, zona norte do Rio, foram um bom termômetro da aceitação do samba-enredo. Em todos eles, o público que, segundo os organizadores da escola, chegava a 5 mil pessoas, respondia com muita animação. “ O samba vai fluir bem na avenida e vem ganhando prêmios de votação em sites e vamos tentar na avenida ganhar mais um. A comunidade assumiu o samba. Graças a Deus! Está tudo certinho com a gente”, disse o intérprete oficial da Mangueira, Ciganerey. Evolução Os amigos também estarão no desfile. Eles virão no carro que faz menção à abelha rainha, conforme Bethânia também é  chamada. Ali estarão, entre eles, o irmão Caetano Veloso, o maestro Jaime Alem, a apresentadora Leda Nagle e a atriz Renata Sorrah. A ex-jogadora de vôlei Virna, está animada para participar do desfile. Ela visitou o barracão da escola e ficou empolgada com o que viu. “O enredo é de uma diva e encerrar o carnaval com Maria Bethânia sendo homenageada é mais do que merecido. Escola de tradição. Eu sou Mangueira desde criança e joguei no Flamengo. E eu falo que a paixão pelo Flamengo e pela Mangueira é uma coisa única. E eu torço para que a escola tenha a sua medalha de ouro e o lugar mais alto do pódio”, revelou. A homenageada vai entrar na avenida na última alegoria. Bethânia estará acompanhada das afilhadas Nina e Júlia, de 12 anos. As gêmeas são filhas da sua produtora Ana Basbaum. Bethânia fez um pedido à escola do coração, como tem vertigem, pediu que não fosse colocada em uma parte muito alta do carro como ocorreu quando desfilou na Mangueira em 1994. O enredo eraAtrás da Verde e Rosa Só Não Vai Quem já Morreu, em homenagem aos Doces Bárbaros, grupo que formou com o irmão Caetano, e os cantores Gal Costa e Gilberto Gil. “A Mangueira vai ser uma grande surpresa e todos vão dizer que é uma Mangueira diferente do que costuma vir” prometeu Leandro Vieira. Link curto: http://brasileiros.com.br/OTwXP   Extraído do site da Revista Brasileiros / São Paulo - SP http://brasileiros.com.br/2016/02/mangueira-homenageia-maria-bethania-menina-dos-olhos-de-oya/

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *