Breaking News

Marcha contra intolerância religiosa acontece no Engenho Velho da Federação

Veja imagens do movimento, que acontece há 12 anos

Alexandre Lyrio (redacao@correio24horas.com.br)

15/11/2016 19:15:00Atualizado em 15/11/2016 19:29:08

 

O tapete branco atravessa o Engenho Velho da Federação. Não, neste caso não se trata de mais um desfile do afoxé Filhos de Gandhy, apesar de os ideais serem parecidos. Estamos falando da 12ª Caminhada pelo fim da violência, da intolerância religiosa e pela paz, realizada na tarde desta terça-feira (15). Segundo os organizadores, ao menos 2 mil pessoas vestidas de branco, a maioria delas integrantes de terreiros de candomblé, participaram da manifestação.

Organizada por lideranças religiosas de matrizes africanas, a caminhada deste ano homenageou os educadores, desde os professores de escolas a Ialorixás do candomblé. Afinal de contas, seriam eles as principais fontes de ensino da tolerância entre os povos e as religiões. “Sem o educador não há futuro. Seja um professor formal ou uma mãe de santo, é ele que transmite paras as crianças os valores e os costumes”, afirmou Evandro Santa Rita, ogã do Terreiro do Cobre e organizador da caminhada.

Como ocorre todos os anos, os manifestantes se reuniram no final de linha do bairro, onde fica o monumento em homenagem a Mãe Runhó, a Doné Runhó, do Terreiro de Bogum. No percurso, que seguiu do Engenho Velho pela avenida Cardeal da Silva e depois avenida Vasco da Gama, o povo de santo manifestava seu repúdio contra o desrespeito à liberdade de culto. Não faltaram relatos de intolerância e preconceito. Muitos deles relacionados com experiências do dia a dia.

“Uma vez pedi um táxi pelo telefone, o táxi chegou, mas não parou. Passou direto. Liguei para a empresa e a telefonista disse que o taxista não pegava ‘gente de terreiro’”, conta João Alcântara, do Terreiro do Cobre.

Já o babalorixá Andrei Amorim, do terreiro Ilê Axé Odé Faro Eran Omin, relata que teve arrancado por três vezes os assentamentos – as referências e símbolos dos orixás – que ficam na porta da casa. “Todas as vezes que eles tiraram eu coloquei de volta sempre com um assentamento a mais. A intolerância não vai nos vencer”, avisou o babalorixá, que é enfermeiro e estudante de fisioterapia. “Teve um paciente que se negou a ser atendido por mim simplesmente porque sou do candomblé”.

Durante a caminhada, à porta de cada um dos 18 terreiros do bairro, uma saudação era feita de acordo com a nação de cada casa – Ketu, Angola e Jeje. A caminhada começou em 2004, quando terreiros do bairro foram alvo de ataques movidos por igrejas neopentecostais. O caso mais emblemático foi o de Gildásia dos Santos, a Mãe Gilda, que morreu há 16 anos por problemas de saúde agravados pela perseguição religiosa, após seu terreiro ser invadido e violado.

Segundo Evandro Santa Rita, a convivência dos terreiros com igrejas dentro do Engenho Velho melhorou bastante e hoje consegue ser tranquila. “Até mesmo porque aqui somos muitos e nos impomos”, conta ele. Mas em outras regiões da cidade a intolerância se mostra bem viva. São invasões de terreiros, agressões e ataques a símbolos do candomblé.

Evandro lamenta o crescimento da perseguição em outros estados. Especialmente nas favelas do Rio de Janeiro. “Lá os donos de bocas de fumo e traficantes estão se tornando evangélicos. A coisa tá feia”, destaca Evandro. Enquanto isso, até mesmo representantes de outras religiões reforçavam a caminhada. “Jesus veio para cultivar o amor e a tolerância. Ele disse até para amar os inimigos, imagine o resto”, lembrou o padre Lázaro Muniz, capelão da Igreja do Rosário dos Pretos.

Veja fotos: (Fotos de Almiro Lopes/CORREIO)

rtemagicc_marcha05-jpg rtemagicc_marcha04-jpg rtemagicc_marcha03-jpg rtemagicc_marcha02_01-jpg rtemagicc_marcha01-jpg

Extraído do site do Jornal Correio da Manhã / Salvador – BA
http://www.correio24horas.com.br/detalhe/salvador/noticia/marcha-contra-intolerancia-religiosa-acontece-no-engenho-velho-da-federacao/?cHash=bec42d4a82f4bb12fc641696a44272ca

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *