Breaking News

No Dia de São Jorge, um milhão de fiéis lota igrejas da cidade

Para dom Orani, santo, hoje, teria que derrotar ‘dezenas de dragões’

 

POR GERALDO RIBEIRO

23/04/2017 18:33 / atualizado 24/04/2017 7:47

Fiéis fazem orações no dia de São Jorge – Thiago Freitas / Agência O Globo

 

 

RIO – No Dia de São Jorge, uma multidão de fiéis ignorou a chuva e lotou as igrejas da cidade dedicadas ao santo, no Centro e em Quintino. Cerca de 700 mil pessoas foram neste domingo à paróquia da Zona Norte, que realizou 12 missas das 5h às 18h e foi ponto de partida de uma procissão, à tarde. Segundo a Arquidiocese do Rio, o templo recebeu cem mil devotos a mais este ano, em comparação com 2016.

“PADROEIRO EXTRAOFICIAL”

O cardeal arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, que celebrou a missa das 10h em Quintino, disse que a identificação do carioca com São Jorge, cuja popularidade o tornou “padroeiro extraoficial da cidade”, vem do fato de o santo ter sido um homem de Deus que não desanimava com as dificuldades. Após a celebração, ele afirmou que, se o santo guerreiro vivesse hoje no Rio, teria de derrotar não um, mas dezenas de dragões.

— Os monstros que ele enfrentaria seriam o da violência e os da falta de habitação digna, educação, saúde e trabalho. Enfim, são muitos os dragões que existem, e tenho certeza que São Jorge ajuda o carioca a vencer isso tudo — afirmou dom Orani.

FIÉIS LOTAM IGREJA DE QUINTINO NO DIA DE SÃO JORGE

Devotos fazem oferendas e pedem a proteção de São JorgeFoto: Thiago Freitas / Agência O Globo
Milhares de fiéis lotaram a capela de São Jorge em Quintino, na Zona NorteFoto: Agência O Globo / Thiago Freitas
A fé de devota do Santo GuerreiroFoto: Thiago Freitas / Agência O Globo
Milhares de fiéis lotam a igreja de São Jorge em Quintino, na Zona Norte do RioFoto: Thiago Freitas / Agência O Globo
Imagem e vela vermelha, a cor de São JorgeFoto: Thiago Freitas / Agência O Globo
Dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio, consagra hóstia em missa do Dia de São JorgeFoto: Thiago Freitas / Agência O Globo
Do lado de fora, candomblecistas realizam o ritual de lavagem Foto: Thiago Freitas / Agência O Globo
No centro da cidade, milhares de fiéis visitaram a Igreja de São Jorge. Foto: Thiago Freitas / Agência O Globo
Roda de samba animava a festa do Santo Guerreiro próximo à igreja.Foto: Thiago Freitas / Agência O Globo
A vendedora Adriana Malta vendia imagens e fitas em Quintino Foto: Thiago Freitas / Agência O Globo

 

No Centro, o domingo foi marcado pelo sincretismo religioso. Na calçada da Igreja de São Gonçalo Garcia e São Jorge, na Rua da Alfândega, muitos fiéis saíam da missa, recebiam passe de um pai de santo e, mais adiante, dançavam numa roda de samba. Com descontração, mas sem perder a fé, o dia foi de festa.

— O brasileiro é assim. As religiões se encaixam — argumentou o pai de santo baiano Adson Araújo, que há três anos vem ao Rio para fazer rituais de purificação ao lado da igreja.

Cândida Miriam de Vasconcelos Santos, de 65 anos, foi uma das pessoas que, depois de rezar para São Jorge dentro da igreja, foi pedir proteção ao orixá. Segundo ela, “para reforçar”. Assistente social do Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, Cândida contou que há dois anos pede ao santo que “abra os caminhos” para a realização do concurso público da brinquedoteca da instituição, suspenso por conta da crise financeira do estado.

 

— Em me preparei para o concurso para brinquedista, que é uma exigência legal, e já estava com tudo pronto quando veio a crise e o governo adiou a prova — contou a assistente social.

A dona de casa Antônia Costa, de 62 anos, levou todas as chaves de sua residência para pedir segurança ao santo guerreiro.

— Vim pedir a São Jorge para fechar minha casa (para a violência) e abrir meu coração para as coisas boas, como compreensão e amor ao próximo — explicou Antônia.
Extraído do site do Jornal O Globo / Rio de Janeiro – RJ
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/no-dia-de-sao-jorge-um-milhao-de-fieis-lota-igrejas-da-cidade-21245519#ixzz4fI10cIPh
© 1996 – 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *