Breaking News

O CEAP realizou nessa quarta, no Vivo Rio, a 8ª edição do Prêmio Camélia da Liberdade

Aconteceu na noite desta quarta feira (25), no Vivo Rio, a 8 ª edição do Premio Camélia da Liberdade, “Ação Afirmativa, Atitude Positiva”, com o CEAP (Centro de Articulação de Populações Marginalizadas), que visa premiar iniciativas para as desigualdades raciais e sociais. O nome do prêmio se deve à flor camélia, que era o símbolo que identificava os abolicionistas cariocas.

Com o tema a “Memória e Ancestralidade”, o evento reuniu muitas personalidades de variados setores da sociedade negra, com um p​úblico estimado de 2 mil pessoas.

A premiação foi comandada pela atriz Juliana Alves, que se emocionou diversas vezes ao longo da noite e o ator Érico Brás, que estava especialmente despojado. O Duo de atores arrasou.

Os convidados foram ciceroneados no saguão, pelo grupo Rainhas Negras, que estavam belíssimas, com indumentáriasafro. O realizador do evento, Ivanir Santos, um legítimo representante da comunidade negra brasileira, ficou sentado na primeira fila, à abertura da premiação ficou por conta do grupo Jango da Serrinha, que começou entoando uma música à capela, ganhando corpo depois com a percussão, levando o p​úblico ao delírio, mas ​o ponto alto foi quando desceram do palco e movimentaram a plateia fazendo todo mundo dançar.

Bastante entusiasmado o ator Érico Brás, ​fazia questão de enaltecer “o orgulho imenso que sente por ser negro​”, “falam que preto e feio, preto não sabe dançar​, olha nós aqui…” (…) Eu quebro protocolos mesmos e nós quebramos…”, falou empolgado apontando pra Juliana, lógico, foi ovacionado.

Recebendo o pr​êmio na categoria personalidades, a Mãe Beata de Yemanjá fez um discurso belíssimo dedicado aos negros, emocionando a

todos, ​levando inclusive a atriz Juliana Alves ​ás lágrimas.  “Esse pr​êmio é de todos os morros, esse pr​êmio é de toda mulher. (…) Eu sou a guardiã desse prêmio. Esse pr​êmio ​ofereço para negros que tem orgulho de dizer que são negros

Outro momento emocionante, também foi a categoria veículos de comunicação, no qual a A T​V Brasil ganhou o pr​êmio de veículos de comunicação, devido a exibição da novela angolana Windeck`  levando ao palco as atrizes angolanas Grace Mendes e Edusa Chindecasse. O programa de rádio Evolução Hip Hop – CMA Hip Hop. Ao receber o prêmio,  o radialista fez uma citação da musica Negro Drama, do Racionais Mcs, sendo fortemente aplaudido ​e mandou ver… “Nós é isso ou aquilo / O quê? / Cê não dizia? / Seu filho quer ser preto / Rááá…. / Que ironia / Cola o pôster do 2Pac aí / Que tal? / Que cê diz? / Sente o negro drama / Vai.. / Tenta ser feliz

O baluarte Rubem Confete, foi palco pra recebe a honraria e de quebra deu uma aula de história da ascensão e como os negros “artistas” eram tratados. Confete foi homenageado pelo programa de radio Ponto do Samba, da Rádio Nacional

Jokotoye Bankole Awolade, membro da família real de Obatalá, recebeu homenagem Especial Memória e Ancestralidade, além do discurso encantou uma reza pra ifá, na língua yorubá, foi uma comoção.

O encerramento ficou por conta do cantor Marquinhos Oswaldo Cruz e a Velha Guarda Mangueira, levando muito samba, os convivas se esbaldaram. Agora, só ano que vem…

 

Sobre O Prêmio 2015

O Prêmio Camélia da Liberdade, tem como chancela Ação Afirmação, Atitude Positiva, essa edição veio com o tema a “Memória e Ancestralidade”. A instituição instituiu que 2014 foi um ano de importantíssimos centenários e, dessa forma, resolveu homenagear diversas personalidades: Abdias Nascimento, Regina de Bamgbosè, Carolina de Jesus, Chico da Matilde (Dragão do Mar), entre outras.

O Conceito – Prêmio Camélia da Liberdade é uma manifestação institucional e pública do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) de reconhecimento a iniciativas destinadas aos afro-brasileiros, que promovam as Ações Afirmativas como forma de contribuição para a superação das desigualdades raciais e sociais nos campos do trabalho, da educação, do desenvolvimento econômico, do desenvolvimento cultural, dentre outros, de tal forma que fortaleçam, também, os princípios democráticos que regem a nação brasileira. A abrangência do prêmio é nacional, em todo o Brasil e no exterior. Nas sete edições já premiou Lázaro Ramos, Zózimo Bulbul, Milton Gonçalves, Abdias Nascimento, Ruth de Souza,  Camisaria Colombo, Universidade Federal de Sergipe, Dupont, TAM, Novela Lado a Lado (Rede Globo), Joyce Ribeiro (SBT), Universidade Federal do Pará, entre muitos outros que contribuíram com iniciativas consolidadas de Ações Afirmativas.

A premiação é composta por 5 categorias: Personalidades, Instituições de Ensino Poder Público, Veículos de Comunicação e Empresas.

CATEGORIA PERSONALIDADES

  • Jokotoye Bankole Awolade – Homenagem Especial Memória e Ancestralidade
  • Yedo Ferreira – Militante histórico da luta antirracista, fundador da Sociedade de Intercambio Brasil África, do Instituto de Pesquisas das Culturas Negras e do Movimento Negro Unificado.
  • Pastor Ayodele de Balogun – Líder da igreja ‘Ministério a voz de Deus’, de orientação neo-pentecostal.
  • Mãe Beata de Iemanjá – Yalorixá e líder religiosa e militante política e escritora.
  • Mario Lucio Duarte Costa – Goleiro Aranha – Vítima de ofensas racistas em agosto de 2014

 

CATEGORIA: EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS (LEI 10.639/03)

  • Pré-vestibular Quilombola – Cursinho, voltado para quilombolas
  • Núcleo de Estudos Afrobrasileiros/UFAL – Estudos que são organizados em coletânea para auxílio do/a professor/a no trabalho pedagógico.
  • Grupo de Estudos Afroamazônico/UFPA – É o 1º NEAB da região amazônica, fundado em novembro de 2002, tendo como objetivos criar uma interface entre a Universidade e a sociedade.
  • Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis – No ano de 1994 tornou obrigatório o ensino de conteúdos sobre os afro-brasileiros nos currículos escolares.

 

CATEGORIA: VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO

  • Programa Evolução Hip Hop – CMA Hip Hop
  • Jornal O Globo – jornalista Dandara Tinoco / Pelo conjunto de matérias sobre intolerância religiosa.
  • TV Brasil – pela veiculação da novela angolana
  • Rádio Nacional, Programa de radio ‘Ponto do samba’ – Apresentado pelo jornalista Rubem Confete.

 

CATEGORIA: ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS E INSTITUIÇÕES PÚBLICAS

  • Prefeitura de Laranjeiras – Secretaria Municipal de Inclusão Racial
  • Prefeitura de Aracajú – Secretaria Municipal de Inclusão Racial
  • Presidência da República – Pela Lei 12.990
  • Coordenadora de Educação para Promoção de Igualdade Racial
  • Secretaria Executiva de Direitos Humanos – Órgão da Administração Direta do Governo de Pernambuco.

 

Legado – Com seu trabalho, o CEAP se credenciou para integrar, ao lado de outros importantes setores da sociedade civil e do poder público, o Comitê Internacional Preparatório da 3ª Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Formas Correlatas de Intolerância, que aconteceu em agosto de 2001, na África do Sul. C

Onde tudo começou – O CEAP, realizador do Prêmio Camélia da Liberdade, foi fundado pelo pedagogo Ivanir dos Santos, e conseguiu manter em sua trajetória a referência, em âmbito nacional e internacional, de uma das mais combativas organizações de luta pelos direitos humanos e do segmento organizado do Movimento Negro.

Finalizando – O Prêmio Camélia da Liberdade, o CEAP, personalidades e muitas outras instituições, contribuíram de forma perene na história e preservação da cultura de uma nação. Com a fundamental e imprescindível patrocínio da Petrobrás e do Conselho Nacional de Praticagem.

 

Fonte: Release Bi & Ro Assessoria de Comunicação
Tel. 21 2508 6245 / 21 3026 7242
Av. Rio Branco, 120/sala 628 – Centro
Cep 20.040-001 / RJ
face: biroassessoriadecomunicacao

Bia Saldanha:
biasaldanhaareas@gmail.com
Tel. 21 98107 1450
Rozangela Silva:
rozangelas@gmail.com
Tel. 21 99998 1802

biroassessoria@gmail.com
biroassessoria2@gmail.com

8X7A1315 8X7A1277 8X7A0800 8X7A1591 8X7A1565

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *