Breaking News

Olinda »Entidades do candomblé comemoraram pedido de registro do Palácio de Iemanjá

Publicação: 13/03/2015 10:40 Atualização:

 

No dia em que Olinda completou 480 anos, foi entregue ao Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda, o pedido de registro do Palácio de Iemanjá como Patrimônio Imaterial do Sítio Histórico de Olinda, também conhecido como terreiro de Pai Edu, no Alto da Sé. O pedido é para constituir o respeito à casa, já o registro oficial do local, tem como objetivo preservar a história das culturas de matriz afro-indígenas.

Pai Edu, que faleceu em 2011, foi um dos representantes mais conhecidos pela propagação do candomblé no Brasil, e é até hoje, considerado o homem que aproximou o candomblé da alta sociedade na busca pela redução do preconceito e respeito pela religião de cultura africana. ‘’Assinar o registro de tombamento da casa é uma forma de mantermos viva a memória de Pai Edu. Essa é uma das casas de Axé mais antigas de Olinda, localizada em seu centro histórico e cultural que precisava de um reconhecimento desse. O que está sendo feito representa um agradecimento nosso à nossa ancestralidade’’, comentou Pai Cleyton de Oxu.

De acordo com Pai Cleyton, o registro legitimará a vontade dos membros da casa em extinguir o preconceito que ainda existe na sociedade. “A cultura afro-indígena atualmente é vista de uma nova forma, tivemos uma evolução em relação ao espaço, pois muitos grupos têm trabalhado em busca disso. Antes, não íamos para as ruas com nossas vestimentas e características porque tinhámos medo de discrinados, agora estamos aos poucos ganhando espaço’’, comentou.

O secretário Patrimônio e Cultura de Olinda e presidente do Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda, Lucilo Varejão, comentou sobre o pedido. ‘’Para quem faz parte de um conselho de preservação, receber este pedido é uma alegria. Lembramos sempre que quando Pai Edu estava vivo, a casa ficava lotada, muitos precisavam acompanhar as cerimônias do lado de for a. O registro  do patrimônio faz com que as próximas gerações tenham documentado o valor histórico da cultura olindense’’, ressaltou.
 

Extraído do site do Jornal Diário de Pernambuco / Recife-PE
http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-urbana/2015/03/13/interna_vidaurbana,566016/entidades-do-candomble-comemoraram-pedido-de-registro-do-palacio-de-iemanja.shtml

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *