Breaking News

ORIXÁS X DEMÔNIOS

exu[1]Temos assistido com frequência líderes neopentecostais ofenderem nossa Fé denominando nossos Orixás e Entidades como “demônios”.

Mesmo o direito à liberdade de expressão, não admite manifestações deste nível nos meios de comunicação, porque desrespeitam o credo afro brasileiro e geram preconceito.

É fundamental que se diga que os Orixás, para as Religiões Afro são divindades cultuadas como ancestrais divinizados de etnias iorubas.

As afirmações de Apresentadores evangélicos associando Orixás a demônios são completamente equivocadas em relação às definições religiosas, históricas e antropológicas.

Conforme esclarece o Dicionário Aurélio, demônio é “…nas religiões judaico e cristã, anjo mau que, tendo-se rebelado contra Deus, foi precipitado no inferno e procura a perdição da humanidade; gênio ou representação do mal; espírito maligno; espírito das trevas; Lúcifer, Satanás, Diabo;  pessoa má, perversa, de maus instintos…”

Ora, a palavra “demônio”, é entendida como personificação do mal; contrário do bem e do que é divino. “Demônio” é compreendido como algo nocivo, perigoso, pejorativo; entidade que deve ser exorcizada (banida, espantada) para libertar o homem do mal que o domina. O demônio é sempre algo que aterroriza. Não se associa jamais a palavra “demônio” a algo benigno ou positivo.

Todas as formas de desenhos, pinturas, e demais representações do “demônio” ao longo dos séculos, sempre o apresenta com aspecto assustador, povoando histórias macabras e as formas artísticas pelas quais os Homens demonstra terror. Nossos Orixás não são assim!

Ainda que a origem da palavra demônio seja outra, o significado moderno da expressão nos indica que a palavra “demônio” nada tem de positiva. Modernamente, demônio é sinônimo de mal, maldade. É entendido popularmente como o mesmo que diabo, satanás, belzebu, “coisa ruim”. Nós não cultuamos isso!

Na Bíblia, no Livro de Mateus (8:16), a expressão “endemoniados” é aplicada para significar espíritos que devem ser expulsos. Em outras ocasiões, no Livro Sagrado dos cristãos, a expressão é substituída por termos como “espíritos maus” (Lu 7:21), “imundo” (Mt 10:1), “espírito mudo” (Mr 9:17) e “espírito imundo, mudo e surdo”(Mr9:25). Mas em nenhum momento nenhum dos profetas, ou apóstolos associaram esses espítitos maus aos Orixás.  Não há isso escrito na Bíblia!

Vale dizer que para as Religiões Afro Brasileiras não existe nenhuma entidade que personifique o mal. Nem mesmo o polêmico Exu, cuja influência está ligada à energia sexual e sobretudo à comunicação.

Portanto, é totalmente descabida a associação de Orixás a demônios.

É bem verdade que as Religiões de Matrizes Africanas acreditam na existência espiritual do bem e também do mal. Mas o mal para tal Credo, é representado pelos “AJOGUNS” (diferente de “AJAGUN”, “AJAGUNÃN”, “JAGUN”, ou “OGUN”).

Os AJOGUNS são sentimentos negativos e situações que atrapalham o ser humano, como o ódio, a inveja, a doença.

Os AJOGUNS não são cultuados, nem reverenciados, nem tampouco são os Orixás. Frise-se que as Religiões Afro Brasileiras tradicionais não possuem qualquer culto ao mal, ou à entidades malignas.

Logo, não se pode, sob nenhum critério, ou circunstância, firmar que Orixás são demônios. Esta afirmativa é falsa! É crime! Incita o preconceito, a intolerância religiosa e a agressividade.

É bom que se diga, que afirmar que Orixás e Entidades cultuadas pelas Religiões de Matrizes Africanas são demônios, descumpre a CF, o CP e enseja a aplicação de leis que impõem multa e até prisão daqueles que ofendem o Credo alheio.

É importante refletirmos: que sociedade nós queremos? Que Brasil nós queremos? Ou paramos com isso agora, ou daqui a alguns anos, vamos viver aquele caos e aquelas guerras que o fundamentalismo religioso provoca nos países do Oriente Médio. Chega disso!

 

Rio, 06 de novembro de 2013.

Márcio de Jagun

ori@ori.net.br

About The Author

Babalorixá, escritor, professor universitário, advogado e apresentador do programa ORI (ori@ori.net.br).

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *