Breaking News

Pai de santo vai a júri pela morte do pastor

por: Alvaro Pegoraro | Edição: Fernando Uhlmann

Data: 09/10/2014 | 08:00

Foto: Alvaro Pegoraro / Folha do Mate
Foto: Alvaro Pegoraro / Folha do Mate

 

Em janeiro de 2009, Bonatto deu uma entrevista à Folha do Mate e disse não lembrar do que aconteceu naquela noite

O júri mais aguardado dos últimos anos na Comarca de Venâncio Aires será realizado hoje. A partir das 9h, no Salão do Tribunal do Júri, o pai de santo Júlio César Bonatto, 46 anos, sentará no banco dos réus para responder pela morte do pastor evangélico Francisco de Paula Cunha Miranda, que tinha 44 anos na época do crime, que aconteceu em dezembro de 2008, no bairro Aviação.

A sessão certamente vai lotar as dependências do Fórum, localizado na rua Berlim da Cruz, bairro Cruzeiro. Por isso, senhas foram distribuídas pelo juiz João Francisco Goulart Borges, pelo promotor Pedro Rui da Fontoura Porto e pelo advogado de defesa, Marco Alfredo Mejia.

O CRIME

O pastor evangélico foi morto com um pontaço de faca, na noite do dia 20 de dezembro de 2008. O golpe foi certeiro e atingiu o peito do religioso. Ele caiu nas imediações de onde Bonatto possuía o seu centro espírita, na rua Conde D’Eu, bairro Aviação.

Segundo apurado pela polícia, naquele dia se realiza uma sessão no centro espírita. Muitas pessoas participavam e estavam dentro de uma peça fechada.

Em depoimento à polícia, Bonatto declarou que naquela noite algumas aves foram sacrificadas. Ele disse estar incorporado pelo seu guia, ‘Exu caveira’, e que, nesta condição, não recorda de nada que acontece.

No centro espírita, a polícia apreendeu três facas. Elas foram encaminhadas à perícia, mas Bonatto garante que só as usou no sacrifício das aves. O resultado da perícia não apontou a presença de sangue humano nas facas.

Muitos relatos chegaram ao conhecimento da polícia. Um deles mencionava que o pastor evangélico havia passado em frente ao centro espírita e proferido palavras ofensivas, o que teria indignado o pai de santo, que teria saído à rua.

DEFESA

Bonatto será defendido pelo criminalista Marco Alfredo Mejia. Em entrevista à Folha do Mate, disse que quanto as teses defensivas, podem ser usadas a negativa de autoria e a outra de cunho espiritual. “Esta também é interessante, pois de fato tudo gira em torno deste conflito entre crentes e a religião afro”, citou.

 

Extraído do site do Jornal Folha do Mate

http://www.folhadomate.com/noticias/policia/pai-de-santo-vai-a-juri-pela-morte-do-pastor

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *