Breaking News

Polícia atribui crime de intolerância religiosa a violação de imagens sacras de catedral no Rio

 

URL: http://radioagencianacional.ebc.com.br/geral/audio/2017-01/policia-atribui-crime-de-intolerancia-religiosa-violacao-de-imagens-sacras-de#player-radioagencia-nacional

 01:49 Geral, Notícias 21/01/2017 – 08h16 Rio de Janeiro Embed

Fabiana Sampaio

 

A Delegacia de Polícia do centro de Niterói, na região metropolitana do Rio, encaminhou à Justiça investigação sobre a destruição de imagens de santos da Catedral de São João Batista.

 

O procedimento policial aponta a violação ao artigo 208, do Código Penal, que corresponde ao crime de intolerância religiosa. No sábado, um homem quebrou as imagens de Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Cabeças.

 

Lorrama Machado, coordenadora do Centro de Promoção da Liberdade Religiosa (o Ceplir), ligado à Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, alerta para o crescimento dos casos de intolerância no estado.

 

Sonora: “Os crimes de intolerância no estado infelizmente têm crescido, e a gente vê que é sempre isso. O agressor não tem nada que o iniba ou que o pare. Ele fazer vai fazer de novo. É um crime de ódio. Tanto que o agressor, diversas vezes a gente vê nas imagens internas da igreja, ele fala que odeia a religião.”
O Centro de Promoção da Liberdade Religiosa solicitou à prefeitura de Niterói a intensificação das rondas da Guarda Patrimonial na região para evitar novas ocorrências. O centro faz o atendimento das vítimas e acompanha o andamento dos casos de intolerância religiosa junto à polícia, Defensoria Pública e Ministério Público. Denúncias podem ser feitas pelos telefones (21) 2334-9550 e 2334-9457.

 

 

Extraído do site intitucional da Rádio Agência Nacional EBC / Brasília – DF
http://radioagencianacional.ebc.com.br/geral/audio/2017-01/policia-atribui-crime-de-intolerancia-religiosa-violacao-de-imagens-sacras-de

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *