Breaking News

Polícia investiga detetive suspeito de tentar matar pai de santo a tiros no RS

Delegado acredita que homem seria um cliente insatisfeito do religioso.

Suspeito chegou a ser preso, mas pagou a fiança e nega ter cometido crime.

Do G1 RS | 09/08/2014 17h35 – Atualizado em 09/08/2014 17h50

 

 

300por400hd_2014080612532106.08_4dphpp_preso_1A polícia investiga uma tentativa de assassinato a um pai de santo em Porto Alegre, ocorrida no dia 30 de junho, no Bairro Tristeza, Zona Sul da cidade. Segundo o delegado responsável pelo caso, Rodrigo Pohlmann, a principal suspeita é que o autor dos disparos seja um cliente insatisfeito com o trabalho prestado. O homem, de 57 anos, está internado em estado grave no Hospital de Pronto Socorro (HPS).

Na última quarta (6), policiais cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa do suspeito, 56 anos, que trabalha como detetive particular. Uma pistola calibre .380 foi encontrada na residência, localizada em Gravataí, na Região Metropolitana. Para Pohlmann, titular da 4ª Delegacia de Homicídios da capital gaúcha, o crime está esclarecido. O inquérito será entregue até o final da próxima semana.

“Esse detetive particular frequentava a casa de religião e já teria feito outros trabalhos com o pai de santo. No dia do crime, ele retornou lá, aguardou algumas pessoas serem atendidas e ingressou na casa. Trocou algumas palavras com ele e realizou os disparos. Pediu para as pessoas abaixarem a cabeça por cinco minutos e foi embora, levando a arma. No local do crime, foi recolhido um estojo que corresponde ao calibre da pistola encontrada na casa dele”, relatou ao G1.

Junto com o mandado de busca e apreensão, a polícia havia pedido a prisão preventiva do suspeito, que foi negada Justiça. Após a ação na casa do detetive particular, ele prestou depoimento e pagou fiança de R$ 5 mil. Ao responder os questionamentos, negou ter sido o autor do crime.

“Ele foi preso em flagrante em virtude de estar com a arma e foi encaminhado à delegacia. Depois de interrogado, pagou fiança e foi liberado, está respondendo em liberdade. Na casa dele, nós também encontramos diversos materiais de trabalho, como carteiras de agente secreto que ele mesmo emitia. Segundo a esposa, ele tem uma escola de detetive particular. Estamos verificando se essa atividade é legal, se ele poderia mesmo emitir esses documentos ou se há irregularidade. E, caso tenha, colocaremos junto no inquérito”, relata Pohlmann.

O suspeito já tem passagens pela polícia. De acordo com o delegado, ele chegou a ser acusado de participação em um atentado a bomba em uma padaria no Centro de Porto Alegre, em 2008, mas foi absolvido.

Dois anos antes, policiais da delegacia de homicídios também cumpriram um mandado de busca e apreensão na residência do detetive particular e foram recebidos a tiros. No local, foram apreendidas sete armas. Ele não responde mais pelas acusações.

 

Extraído do Portal de Notícias G1

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2014/08/policia-investiga-detetive-suspeito-de-tentar-matar-pai-de-santo-tiros-no-rs.html

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *