Breaking News

Polícia investiga vandalismo em terreiro de candomblé em Lauro de Freitas

Os criminosos também quebraram um alguidar que continha oferendas de uma divindade cultuada em uma árvore sagrada (Foto: Arquivo pessoal)

 

No local, foram deixadas mensagens de teor religioso e um panfleto das Testemunhas de Jeová

bahiaDa Redação

12.08.2017, 16:55:00 | Atualizado: 12.08.2017, 19:07:44

 

A Polícia Civil investiga um ataque de intolerância religiosa sofrido por um terreiro de candomblé localizado no bairro de Areia Branca, Lauro de Freitas. O terreiro, que é novo e está em obras, foi vandalizado nesta semana. No local, foram encontradas pichações com a mensagem ‘O sangue de Jesus tem poder’ além de um folheto de divulgação do Congresso das Testemunhas de Jeová. 

“Estive lá no terreno hoje (12) e, ao chegar lá, as paredes e os quartos dos orixás estavam todos pichados, com as mensagens e um panfleto da igreja. Não sei se foram eles. Mas é intolerância religiosa e a nossa religião sofre isso desde sempre e se a gente ficar parado não vai mudar. Nós, que somos da religião, temos que nos unir”, afirma a mãe de santo do terreiro, que preferiu não se identificar. Ela prestou queixa na 27ª Delegacia (Itinga) neste sábado (12) e disse que irá aguardar a conclusão das investigações e pleitear a punição do autor do delito e a reparação dos danos

Pichações com mensagens de cunho religioso foram encontradas em vários cômodos do terreiro
(Foto: Arquivo pessoal)

Segundo a líder religiosa, os criminosos também quebraram um alguidar que continha oferendas de uma divindade cultuada em uma árvore sagrada (foto principal). “Estamos em funcionamento há muito tempo, em Salvador, e queremos respeito. Vamos levar a denúncia em frente, porque não podemos deixar isso acontecer. Vamos esperar que a polícia investigue para encontrar os culpados”, diz. 

Folheto de divulgação do Congresso das Testemunhas de Jeová foi encontrado no local 
(Foto: Arquivo pessoal)

Em entrevista ao CORREIO, a delegada de plantão Celinei Pinto Ramos, responsável pelo caso, disse que a Polícia Civil irá investigar os crimes de intolerância religiosa e racismo. “Abominamos qualquer tipo de intolerância religiosa, mas teremos que apurar. Há indícios de intolerância e racismo – porque a religião do candomblé sofre muito com racismo – porém, não podemos concluir nada agora”, explica.

Segundo a delegada, a denúncia tem um prazo de 30 dias para ser apurada podendo ter o prazo estendido, a depender da complexidade das investigações. Uma vez confirmada, os criminosos podem ter pena de até um ano, no caso de não violência. Caso seja encontrado um autor que tenha influência sobre outras pessoas intelectualmente, a pena pode chegar a três anos. 

 

 

Extraído do site do Jornal Correio 24hs / Salvador – BA
http://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/policia-investiga-vandalismo-em-terreiro-de-candomble-em-lauro-de-freitas/

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *