Breaking News

População africana e afro-brasileira na construção de São Paulo é tema de caminhada no centro

Rede CatracaPontão de Convivência e Cultura de Paz Instituto Pólis Atualizado em 13 de maio de 2016 às 17:47

Atividade também contará com roda de conversa e apresentação musical da Companhia Deodara

Você sabia que a antiga Igreja da Irmandade do Rosário dos Pretos se localizava na Rua XV de Novembro, onde hoje existe o prédio da Bolsa de Valores? E que no Largo do Paiçandu existe o monumento à Mãe Preta, inaugurado em 1955?

Essas e outras referências importantes para as populações negras existem e resistem em construções e ruas do centro da cidade de São Paulo. Tendo por objetivo relembrar e visibilizar essa memória, o Instituto Pólis, no âmbito do Programa Jovem Monitor/a Cultural, promoverá no dia 23 de maio a caminhada Conviver em Paz nas Cidades: Culturas Negras em Movimento. Toda população poderá participar sem necessidade de inscrição e a entrada é Catraca Livre.

A atividade será conduzida pelo historiador Salloma Salomão, professor doutor do Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA), e pelo sociólogo Acácio Almeida, professor doutor da Universidade Federal do ABC (UFABC).

Foto: Leandro Noronha da Fonseca/Pólis Em 2015 o Instituto Pólis realizou caminhada com a mesma temática
Foto: Leandro Noronha da Fonseca/Pólis
Em 2015 o Instituto Pólis realizou caminhada com a mesma temática

Dois grupos farão trajetos diferentes. O participante deverá escolher o grupo “Roteiro do Século XIX” ou “Roteiro do Século XX”. Os respectivos trajetos são:

Roteiro do século XIX, com Acácio Almeida:

1) Saída: Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte (Rua do Carmo)
2) Igreja da Santa Cruz dos Enforcados (Praça da Liberdade)
3) Largo São Francisco – Rua Direita – Bolsa de Valores (Rua XV de Novembro)
4) Vale do Anhangabaú – Igreja do Rosário e monumento da Mãe Preta (Largo do Paiçandu)
5) Rua 24 de Maio
6) Praça da República
7) Chegada: Busto de Luís Gama (Largo do Arouche)

Roteiro do século XX, com Salloma Salomão:

1) Saída: Cia. Pessoal do Faroeste (Rua do Triunfo)
2) Santa Ifigênia – Monumento da Mãe Preta (Largo do Paiçandu)
3) Galeria Olido (Avenida São João)
4) Galeria 24 de Maio (Rua 24 de Maio)
5) Teatro Municipal (Praça Ramos de Azevedo)
6) Aristocrata Clube (Rua Álvaro de Carvalho, 118)
7) Chegada: Busto de Luís Gama (Largo do Arouche)

Após a caminhada, às 14h00, será realizada no terraço do Instituto Pólis (Rua Araújo, 124) uma roda de conversa sobre as experiências vivenciadas em ambos os trajetos. As atividades do dia se encerrarão com a apresentação musical da Companhia Deodara, a partir das 16h00.

A atividade conta com o apoio do projeto Pontão de Convivência e Cultura de Paz do Instituto Pólis.

Confirme presença no evento no Facebook clicando aqui.

Serviço

O que: Caminhada Conviver em Paz nas Cidades: Culturas Negras em Movimento

Quanto: Catraca Livre

Onde: Instituto Pólis 
Rua Araújo, 124 – República – São Paulo

Estação República (Metrô – Linha 3 Vermelha e Linha 4 Amarela)
Ver no mapa

Este conteúdo – assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios – é de responsabilidade do usuário Pontão de Convivência e Cultura de Paz Instituto Pólis da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

 

Extraído do site Catraca Livre / São Paulo – SP
https://catracalivre.com.br/geral/agenda/gratis/populacao-africana-e-afro-brasileira-na-construcao-de-sao-paulo-e-tema-de-caminhada-no-centro/

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *