Breaking News

Praticantes de candomblé e umbanda denunciam discriminação do Estado

 

Luis Macedo / Câmara dos Deputados

10/06/2014 – 15h27

 

Praticantes do Candomblé e da Umbanda ocupam a Praça dos Três Poderes
O presidente Henrique Eduardo Alves (E) convidou os religiosos a voltarem à Câmara em julho para discutir o tema.

Representantes de religiões de matriz africana entregaram, nesta terça-feira (10), ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, carta em que denunciam a discriminação do Estado brasileiro contra praticantes de candomblé e umbanda. Dezenas de religiosos estavam reunidos no Salão Verde quando encontraram o presidente.

Marcos Rezende, do Coletivo de Entidades Negras, explicou a Henrique Eduardo Alves que a intolerância às religiões de matriz africana tem aumentado no Brasil. “Esta carta tem casos de intolerância no Brasil inteiro. Vamos entregar na Presidência um documento com mais de trezentos casos de intolerância religiosa no Brasil, com notícias de pessoas que morreram, foram violentadas”, afirmou.

“O dia 21 de janeiro é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Gostaríamos que esta Casa, inclusive, reconhecesse a importância do dia 21 de janeiro como um dia para ser discutido com profundidade nesta Casa”, defendeu.

Audiência
Em resposta, o presidente Henrique Eduardo Alves convidou os religiosos a voltarem à Câmara em julho em uma audiência na Presidência: “Em julho, vamos ter duas semanas de trabalho normal até o dia 15 [de julho]. Vamos marcar em uma semana em julho um encontro aqui”.

Diálogo
Essa foi a segunda vez em poucas semanas que defensores das religiões de matriz africana participaram de ato no Congresso. No fim de maio, eles estiveram na Câmara para o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Tradicionais de Terreiro.

A ocupação de espaços públicos em Brasília vem em um momento em que essa comunidade luta pelo reconhecimento da liberdade religiosa e o respeito aos lugares de culto e a seus sacerdotes, como destaca Marcos Rezende.

“Voltaremos aqui com muita frequência porque o que nós precisamos é que esta Casa entenda que este Brasil precisa dialogar com todas as religiões”, ressaltou. “Este é um Estado laico e como tal tem que garantir a liberdade religiosa conforme prevê a Constituição e fazer com que se tenha harmonia, porque não conheço religião que pregue o desamor.”

No YouTube
Marcos Rezende lembrou os vídeos discriminatórios postados no site YouTube recentemente, cuja veiculação foi mantida em decisão judicial polêmica. Na ação, um juiz negou pedido do Ministério Público Federal para retirar o material da internet, considerado ofensivo a essas religiões.

Na decisão, o juiz afirmou que umbanda e candomblé não eram religiões. Depois de forte reação negativa, o magistrado modificou a argumentação, porém continuou negando a retirada dos vídeos porque, segundo ele, a liberdade de expressão estaria em jogo.

Rezende também criticou o fato de canais de rádio e TV, resultado de concessão pública, manterem programas com teor discriminatório às religiões de matriz africana.

Reportagem – Ana Raquel Macedo
Edição – Newton Araújo

 

Extraído da Agência Câmara Notícias

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/470135-PRATICANTES-DE-CANDOMBLE-E-UMBANDA-DENUNCIAM-DISCRIMINACAO-DO-ESTADO.html

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *