Breaking News

Preconceito e violência fazem terreiros se esconderem em BH

Federação estima que, dos 353 centros da capital, 150 funcionem sem registro ou identificação

 

filhos de santo
Acolhimento. Mesmo com portas sempre abertas para o público, terreiro no Conjunto Nova Pampulha ainda sofre preconceito de vizinhos

 

O som marcante do tambor africano conhecido como atabaque, que vibra alto em homenagem aos orixás, não é mais ouvido há tempos. No fundo de uma garagem escura, a mãe de santo Marlene Silva, 58, prefere não chamar a atenção para as sessões noturnas de candomblé que realiza duas vezes por semana no bairro Santa Efigênia, na região Leste de Belo Horizonte. “Picharam minha casa, jogaram pedras várias vezes. Há cinco anos, cancelei sessões públicas e deixamos de tocar o atabaque para preservar nossa crença”, conta. Nos aglomerados da capital, o fenômeno se repete e os terreiros também se mantêm discretos. Apesar de presentes, já não é tão fácil encontrá-los.

pai erisvaldo
Pai Erisvaldo Pereira já teve seu terreiro apedrejado seis vezes

Mesmo após mais de 200 anos da aprovação da lei de liberdade religiosa no Brasil, promulgada em 1809, muitos centros espíritas que praticam religiões africanas preferem se esconder por medo de ameaças e agressões. Apesar de o número de terreiros ter quase dobrado em menos de dez anos, a cultura de orixás ainda não pode ser literalmente vista. Levantamento do Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (Cenarab) mostrou haver 170 terreiros na capital e região metropolitana em 2005. Seis anos depois, em 2011, essa listagem subiu para 353 – um aumento de 107% – segundo estudo do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Ainda assim, a Federação Umbandista do Estado de Minas Gerais (Feumg) estima que 150 terreiros dessa contagem funcionem sem registros ou placas de identificação, sob a sombra de um preconceito arraigado na sociedade.

“Não querem se mostrar por medo. Muita gente associa a cultura africana ao demônio, e isso é absurdo. No Alto Vera Cruz, os dois que existiam foram fechados há dois anos”, afirma João Magalhães Silva, presidente da Feumg.

Resistência. Há mais de 15 anos como mantenedora do terreiro de umbanda Pai Jacó Africano, no aglomerado Conjunto Nova Pampulha, a mãe de santo Vera Lúcia Campos Cabral, 50, precisou de muita resistência para deixar as portas do terreiro abertas ao público. Após ver vizinhos fecharem ou camuflarem terreiros na região, ela decidiu se abrir.
Pesquisa

Concentração. O governo federal está mapeando terreiros de todas as capitais do Brasil. Até agora, foram contabilizadas Belo Horizonte (353), Porto Alegre (1.342), Recife (1.261) e Belém (1.189).
Detalhes sobre umbanda e candomblé

Em comum. As duas religiões são baseadas em raízes africanas e tiveram a essência das primeiras manifestações na metade do século XV. Cultuam os orixás, como Iemanjá, Oxum e Exu, que são homenageados por seus “filhos” com oferendas.

Umbanda. Nascida no Brasil com influência africana e kardecista, faz consultas através da incorporação de figuras como caboclo e preto velho, os chamados eguns ou guias espirituais.

Candomblé. Religião totalmente africana, realiza suas consultas por meio do jogo de búzios. Não aceita incorporação de eguns, apenas de orixás, considerados deuses.

 

PUBLICADO EM 16/12/13 – 04h00

LUCAS SIMÕES

Extraído do site do jornal O Tempo on line, de BH

http://www.otempo.com.br/preconceito-e-viol%C3%AAncia-fazem-terreiros-se-esconderem-em-bh-1.761460

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *