Breaking News

Prefeitura de Cabedelo derruba Templo de Umbanda e revolta federação de Cultos Afro-brasileiros

09/07/2015 | 08h27min 1436443067987-terrenoA presidente da Federação dos Cultos Afro-brasileiros da Paraíba, Penha de Iemanjá, lamentou o estrago que foi feito pela Prefeitura de Cabedelo no Templo Religioso do Pai Joelson, que não teve oportunidade de tirar nem os objetos do imóvel que também servia de morada para ele e mais três pessoas.  "Isso é um desrespeito à religião. Chegaram arrombando, violando objetos sagrados, derrubando tudo com a máquina", disse Penha, que também está estudando a possibilidade do preconceito ter motivado a ação da prefeitura. O templo situado no Jardim Oceania foi derrubado na manhã desta quarta-feira (7). Segundo a presidente da Federação, os responsáveis pelo templo não teriam recebido nenhum comunicado da prefeitura sobre a demolição do local. Ela informou, ainda, que vai reunir a documentação referente ao templo para levar à prefeitura nesta quinta-feira, bem como para entrar na Justiça. Já o vereador José Eudes (Pros) classificou de intolerância religiosa a ação da Prefeitura de Cabedelo. De acordo com o vereador, foi um ato desumano da Prefeitura, que faltou com respeito à religião afro-brasileira. aiqode8qkgigtgbuljfbbvywi1ijlzhhuvmlgxex8_heEudes lembrou que a alegação de ocupação irregular do terreno onde funcionava o templo, para derrubar a estrutura, não o convenceu. "A Prefeitura de Cabedelo tem feito doações de terrenos para muitas pessoas do ciclo de amizade do prefeito Leto" recorda o vereador. Eudes revela que recentemente a Prefeitura fez a doação de uma grande área para a instalação de uma universidade particular - Ciências Médicas. A secretária de Infraestrutura da Prefeitura de Cabedelo confirmou a derrubada do templo religioso. "Houve, mas não aconteceu nenhum tumulto" relata. Segundo Érica Gusmão, a Prefeitura, inclusive removeu todos os objetos do templo para a residência do responsável. Érica Gusmão revelou ainda que a Prefeitura não tem nenhum projeto para área onde funcionava o templo, no Jardim Oceania. "Mas se tratando de uma área pública alguma coisa teria que ser feita", arremata. A reportagem  também esteve com o chefe de gabinete da Prefeitura, Fábio Araújo, que alegou que os responsáveis pelo Templo Religioso do Pai Joelson foram notificados, por diversas vezes, sobre a necessidade de desocupação da área e não deram resposta, nem procuraram à Prefeitura. "Inclusive a última foi entregue no mês de abril", justificou Araújo. O chefe de gabinete de Cabedelo informou ainda que, no momento da entrevista, não dispunha dos documentos que comprovavam a ação da Prefeitura, mas que o secretário de Habitação, Rodrigo Martines. poderia encaminhar à redação do Portal , o que não aconteceu , após várias tentativas de contato com o gestor.     Blog do Rembrant de Carvalho     Extraído do portal de notícias paraiba.com.br http://www.paraiba.com.br/2015/07/09/23209-prefeitura-de-cabedelo-derruba-templo-de-umbanda-e-revolta-federacao-de-cultos-afro-brasileiros

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *