Breaking News

Prêmio Orirerê destaca ensino da história e cultura afro nas escolas

A intenção do prêmio é promover a troca de experiências entre os gestores que desenvolvem ações significativas para efetivação da Lei 10.639/03

Postada em: 23/05/2014 ás 11:27:29

Surgiu » Educação » TOCANTINS

 

imagem_2305141400855289_g

 

 

Valorizar as ações institucionais para educação voltadas às relações étnico-raciais e o ensino da História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena no Brasil. Este é o objetivo do Prêmio Orirerê – cabeças iluminadas, realizado pelo Centro Cultural Humaitá com foco nas Secretarias de Educação e Instituições do Ensino Médio e Superior.

A intenção do prêmio é promover a troca de experiências entre os gestores que desenvolvem ações significativas para efetivação da Lei 10.639/03, que trata da inclusão de assuntos como arte e cultura indígena, africana e afro-brasileira nos currículos escolares.

O Prêmio está com inscrições abertas até domingo, 25. As experiências serão compartilhadas no site http://informativocentroculturalhumaita.wordpress.com.orirerê.

Tocantins

No Tocantins, de acordo com a Diretoria de Diversidade da Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seduc), diversas ações vêm sendo desenvolvidas para implementação da legislação. Entre os principais projetos estão a formação de professores, campanhas contra o racismo nas escolas, inclusão da temática da africanidade nos Guias de Aprendizagem da Educação de Jovens e Adultos e abertura de turmas nas comunidades quilombolas.

Na Escola Estadual de Cristalândia, o projeto Batuque – Porque ninguém nasce racista é realizado há 10 anos com foco em ações que promovam o reconhecimento, a valorização e o respeito à história e cultura do povo negro brasileiro. O projeto ainda prevê a diminuição dos índices de preconceito e discriminação racial no ambiente escolar. Entre as ações desenvolvidas na escola, a temática é abordada em pesquisas em grupo, palestras, aulas temáticas, filmes, oficinas e atividades culturais.

 

Foto: Divulgação  Fonte: Ascom Seduc   Postador: Samuel Charles

Extraído do site Surgiu.com.br

http://surgiu.com.br/noticia/154436/premio-orirere-destaca-ensino-da-historia-e-cultura-afro-nas-escolas.html

 

 

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *