Pretos Velhos são homenageados em Praça de Inhoaíba

Pai Luiz ao lado do Deputado Estadual Gilberto Palmares e do Babalawó Ivanir dos Santos, interlocutor da CCIR

Texto: Sérgio D´Giyan

Há 126 anos atrás, Dona Isabel, princesa imperial do Brasil, na sua terceira e última regência, sancionava a Lei Áurea, estando o Imperador D. Pedro II do Brasil em viagem ao exterior, abolindo assim, a escravidão no Brasil. Para homenagear essa data, a Associação de Amigos e Adeptos do Culto Afro-brasileiro e Espírita (Apaacabe), representada pelo seu presidente Luis Souza, sacerdote dos cultos afros organizou um grande evento, na praça de Inhoaíba.

 Pai Luiz com dona Vera Dias da Seconserva e o Administrador regional Luiz Otávio Ramos na reinauguração da Praça dos Pretos velhos!
Pai Luiz, Vera Dias e o Administrador Regional Luiz Otávio Ramos na reinauguração da Praça dos Pretos Velhos
Foto: APAACABE

 

A imagem de uma preta-velha restaurada devido a depredação por vandalismo, objeto de um ato de repúdio há pouco tempo, foi comemorada com direito a roda de capoeira, encontro de terreiros e uma suculenta feijoada, iguaria deixada pelos escravos e muito apreciada na culinária brasileira.

A Praça dos Pretos Velhos completou 56 anos, e há um projeto de lei propondo que seu nome seja adotado de maneira oficial pelo município.

Pai Luiz ao lado do Deputado Estadual Gilberto Palmares e do Babalawó Ivanir dos Santos, interlocutor da CCIR
Pai Luiz ao lado do Deputado Estadual Gilberto Palmares e do Babalawó Ivanir dos Santos, interlocutor da CCIR
Foto: APAACABE

O local abriga o monumento da Tia Maria do Sul de Minas, incendiado no dia 30 de abril. A imagem de argila não chegou a ser danificada, mas precisou ganhar novos trajes. Na ocasião, o fogo foi apagado pelo próprio presidente da Apaacabe, Pai Luiz de Sousa.

— Já tivemos tentativa de incêndio, roubo das roupas. Isso é discriminação e intolerância religiosa — disse Pai Luiz.

Foto: APAACABE
Foto: APAACABE

Em 13 de maio de 1958 foi inaugurado o monumento para comemorar os 70 anos de abolição e homenagear o morador mais antigo do bairro, Joaquim Manuel da Silva (Tio Quincas) estando presente Miguel Pastor, o então prefeito Negrão de Lima e o próprio Tio Quincas.

A praça mais tarde ficou conhecida com praça dos pretos velhos, não se limitando somente ao cunho cívico, mas também religioso. Em 1959 Miguel pastor lançou um manifesto que era a preparação para a tomada da praça pelos umbandistas.

Em 60 o escultor convidou mais de 30 terreiros, porém só apareceu um, pois o ambiente era de perseguição a tendas espíritas, mesmo assim o monumento foi consagrado perante duas mil pessoas.

7jo1
Pai Luis de Sousa, Presidente da APAACABE
Foto: APAACABE
10352787_591989514231643_9175760940033548453_n
Foto: APAACABE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *