Breaking News

Professores passarão por capacitação

Anúncio foi feito ontem durante a cerimônia do Dia da Abolição da Escravatura - ALDO V. SILVA
Anúncio foi feito ontem durante a cerimônia do Dia da Abolição da Escravatura – ALDO V. SILVA

14/05/15 | CULTURA AFRO-BRASILEIRA
José Antonio Rosa
joseantonio.rosa@jcruzeiro.com.br

 

Cerca de 500 professores da rede municipal de ensino passarão, a partir do segundo semestre, por capacitação visando a entrada em vigor em nível local, no ano que vem, da lei que inclui no currículo oficial a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”.

O anúncio foi feito ontem pelo secretário da Educação, José Simões de Almeida Junior, durante a cerimônia comemorativa à passagem do Dia da Abolição da Escravatura, realizada à noite na Pça. Castro Alves, em frente ao monumento da Mãe Preta. A notícia era aguardada com expectativa por organizações que atuam com a questão da etnia.

A presidente da ONG “Quilombinho” disse ter ficado feliz com a informação, já que a medida vem de encontro à reivindicação para que a sociedade passe a tomar consciência da importância do convívio com as diferenças. Em sua intervenção, a vice-prefeita e secretária do Desenvolvimento Social, Edith Di Giorgi, classificou a Lei Áurea de “uma farsa”.

Acrescentou que a lei em nada ajudou a causa dos negros, até porque decretou a liberdade uma parcela da população que não dispunha de condições para se manter. Em seguida, Edith declamou a poesia “A Canção do Africano”, de Castro Alves. A atividade foi concluída com a performance do Grupo Trança.

Notícia publicada na edição de 14/05/15 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 007 do caderno A – o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.

 

Extraído do site do Jornal Cruzeiro do Sul / Sorocaba – SP
http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/609873/professores-passarao-por-capacitacao

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *