Breaking News

Programas da EBC conquistam Prêmio Camélia da Liberdade

Dois programas transmitidos pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) recebem hoje (25) o Prêmio Camélia da Liberdade 2015 – Ação Afirmação, Atitude Positiva, que este ano tem como tema Memória e Ancestralidade.

 

Divulgação   07:19 - 25 de Março de 2015 | Por Agência Brasil
Divulgação
 
07:19 – 25 de Março de 2015 | Por Agência Brasil

 

A premiação inclui as seguintes categorias: Personalidades, Instituições de Ensino Poder Público, Veículos de Comunicação e Empresas. Na categoria Veículos de Comunicação foram escolhidos o programa Ponto do Samba, apresentado pelo jornalista, roteirista, teatrólogo e radialista Rubem Confete, na Rádio Nacional do Rio (AM 1.130 KHz) e a novela angolana Windeck, transmitida pela TV Brasil desde 10 de novembro de 2014.

O programa Ponto do Samba é considerado pelos sambistas como um local de encontro, de troca de informações e de resistência do gênero musical. Com Rubem Confete no comando, é transmitido há 35 anos, de segunda a sexta-feira, às 13h30. Confete lembrou que quando começou a fazer o programa, o samba não tinha tanta projeção e até sofria preconceito. “Havia muito preconceito contra o samba. Há 50 anos, fui preso porque cantava samba na Rua do Lavradio. Isso era muito comum: o negro ser preso cantando samba. Cartola e Paulo da Portela foram presos. O samba era muito discriminado. Hoje, o samba domina o mundo e é abraçado pela sociedade brasileira e mundial”, disse.

Confete lembrou que Camélia era o nome de um quilombo da área do Leblon, na zona sul do Rio, e o prêmio, que ele prefere chamar de comenda, sintetiza a trajetória dos negros no Brasil, desde a chegada nos portos até a formação das famílias que integram a sociedade brasileira. “Neste momento, me vejo com uma responsabilidade maior. Essa comenda veio no justo momento em que também se anuncia que o Cais do Valongo será tombado como Patrimônio da Humanidade. Sair da África, nas condições em que saímos, nos porões dos navios negreiros, navegar já era difícil naquela época e, como escravo, era pior. Construir família, nos recuperar aqui no Brasil e ajudar a construir a sociedade brasileira é algo forte demais. É fundamental. Estou muito feliz com esse prêmio”, acrescentou.

A novela Windeck foi produzida em 2012 pela Semba Comunicação e esteve entre as quatro telenovelas que concorreram ao Emmy Internacional 2013, principal prêmio para produções de televisão. Windeck é também a primeira novela angolana a ser transmitida no Brasil. A exibição pela EBC teve o apoio da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir/PR).

Para o secretário executivo da Seppir, Giovanni Harvey, o prêmio é importante porque representa um reconhecimento de ações afirmativas que possam, de alguma forma, contribuir para a mudança do panorama das relações sociais e étnico-raciais no Brasil. “A Seppir teve a honra e o privilégio de ser parceira da EBC e da TV Brasil nessa inciativa, mas o mérito, não se pode negar, é da EBC e o seu reconhecimento é mais do que justo”, disse Harvey em entrevista à Agência Brasil.

O secretário destacou também o prêmio ao programa Ponto do Samba e a Rubem Confete. Para ele, o jornalista é uma referência na história do Rio de Janeiro e a maior autoridade no legado africano, especialmente na região portuária. Segundo Harvey, Confete é um pesquisador inquestionável, com conhecimento profundo sobre a cultura brasileira e o samba. O secretário disse que a entrega do Prêmio Camélia da Liberdade – Ação Afirmação, Atitude Positiva, nesse caso, será feita a alguém que há décadas vem contribuindo para a preservação da cultura, da memória africana no Rio de Janeiro e das expressões culturais, entre elas o samba.

“É uma pessoa que, nos últimos anos, deu enorme contribuição ao resgate da cultura africana na região portuária do Rio, que é um espaço de transformação da cidade neste momento da história. O prêmio é pelo conjunto das contribuições de Rubem Confete à sociedade brasileira”, observou.

Em matéria publicada no site da TV Brasil, o diretor-geral da EBC, Américo Martins, considerou que o prêmio recompensa o esforço da empresa e da Seppir de fazer valer a Lei 12.228/2010 (Estatuto da Igualdade Racial) ao exibir uma produção angolana no Brasil, “em uma ação de comunicação pública que visa a dar visibilidade a representações da pessoa negra”.

Para Martins, a transmissão representa  “marco importante para o fortalecimento da identidade dos afro-brasileiros e para o estreitamento das relações culturais entre os dois países”.

O Prêmio Camélia da Liberdade, que está na oitava edição, é uma iniciativa do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas. A intenção é estimular o desenvolvimento de projetos de ações afirmativas, de valorização da diversidade e inclusão étnica. Nas edições anteriores, entre os premiados estavam os atores Ruth de Souza, Lázaro Ramos e Milton Gonçalves. Receberam ainda o prêmio Abdias Nascimento, Zózimo Bulbul, as universidades do Pará e de Sergipe, as empresas Dupont e TAM, a novela Lado a Lado (Rede Globo) e Joyce Ribeiro (SBT).

Durante a cerimônia hoje (25), às 19h30, na casa de shows Vivo Rio, no Aterro do Flamengo, está previsto show de Marquinhos de Oswaldo Cruz, com a participação da Velha Guarda da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira e do Jongo da Serrinha, grupo de tradição africana de Madureira, na zona norte do Rio.

Lista dos Indicados:

Categoria Personalidades
Jokotoye Bankole Awolade – homenagem especial Memória e Ancestralidade
Yedo Ferreira – militante histórico da luta antirracista, fundador da Sociedade de Intercâmbio Brasil África, do Instituto de Pesquisas das Culturas Negras e do Movimento Negro Unificado
Pastor Ayodele de Balogun – líder da igreja Ministério A Voz de Deus, de orientação neopentecostal
Mãe Beata de Iemanjá – yalorixá, líder religiosa, militante política e escritora
Mario Lucio Duarte Costa – goleiro Aranha – vítima de ofensas racistas em agosto de 2014

Categoria Experiências Educacionais (Lei 10.639/03)
Pré-vestibular Quilombola – cursinho voltado para quilombolas
Núcleo de Estudos Afrobrasileiros (Neab)/Ufal – organizados em coletânea para auxílio do/a professor/a no trabalho pedagógico
Grupo de Estudos Afroamazônico/UFPA – 1º Neab da região amazônica, fundado em novembro de 2002 para criar uma interface entre a universidade e a sociedade
Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis – no ano de 1994, tornou obrigatório o ensino de conteúdos sobre os afro-brasileiros nos currículos escolares

Categoria Veículos de Comunicação
Programa Evolução Hip Hop – CMA Hip Hop
Jornal O Globo – jornalista Dandara Tinoco, pelo conjunto de matérias sobre intolerância religiosa
TV Brasil – pela veiculação da novela angolana Windeck
Rádio Nacional – programa de rádio Ponto do samba apresentado pelo jornalista Rubem Confete

Categoria Órgãos Governamentais e Instituições Públicas
Prefeitura de Laranjeiras – Secretaria Municipal de Inclusão Racial
Prefeitura de Aracajú – Secretaria Municipal de Inclusão Racial
Presidência da República – Pela Lei 12.990
Coordenadora de Educação para Promoção de Igualdade Racial
Secretaria Executiva de Direitos Humanos – Órgão da administração direta do governo de Pernambuco

 

Extraído do Portal de Notícias ao Minuto
http://www.noticiasaominuto.com.br/nacional/89338/programas-da-ebc-conquistam-pr%C3%AAmio-cam%C3%A9lia-da-liberdade?utm_source=gekko&utm_medium=email&utm_campaign=daily#.VRMEJfnF9S8

About The Author

Sérgio Carvalho se iniciou na Umbanda, pelo Babalorixá Arnaldo de Omulu (in memorian), na T.E.Nanã Buruquê, realizando sua camarinha em dezembro de 1995. Em 2001, se iniciou no Candomblé pelas mãos do Babalorixá Jô d´Osogiyan, no Asé Omin Oiyn Ilè, sendo neto de Iyá Nitinha d´Osun (in memorian), do Asé Engenho Velho - Miguel Couto - RJ. Militante em prol da defesa da religião afro-brasileira, ingressou nas fileiras do extinto IPELCY (Instituto de Pesquisas e Estudo da Língua e Cultura Yorubá), dirigido por Jairo d´Osogiyan. Exerce o cargo de Diretor de Cultura e Comunicação da ANMA - Associação Nacional de Mídia Afro. É proprietário da agência Marfim Assessoria & Eventos. Faz parte da equipe de duas das maiores premiações do jornalismo brasileiro, o Embratel e o Petrobras. É editor responsável pelo jornal web Awùre – http://www.awure.jor.br – veículo que aglutina os momentos mais importantes da cultura e religiosidade afro-brasileira.

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *